segunda-feira, agosto 31, 2015

O MEU “ALTER EGO”
Aqui há muitos, muitos anos (uns 25 ou 30), eu destacava-me com um ar informal e muito soft. Alguns chegavam mesmo a classificar-me como um sósia de uma figura pública que na época iniciava a sua ascensão.

De volta aos meus baús, fui encontrar estas duas fotos (de péssima qualidade) mas que retratam esse período. O exercício para os meus leitores é encontrar o objecto das minhas semelhanças. Claro que não existem prémios. Só a cordialidade e a bondade do vosso tempo gasto com tão ruim personagem: Eu próprio.
 

domingo, agosto 30, 2015

TURISMO NO PORTUGAL PROFUNDO
Uma família resolve dar um passeio domingueiro para fazerem a rodagem ao carro novo. A meio do caminho, o Sr. José lembra-se que tem no porta-luvas um envelope para enviar uma carta no dia seguinte de manhã mas... esqueceu-se de comprar o selo. Resolve então tentar comprá-lo pelo caminho.
Continuam a passeata até que chegam ao Alentejo, a uma daquelas lojinhas que vende tudo e mais alguma coisa, um género de bazar.
O Sr. José entra na loja, lá estava o típico empregado alentejano, sentado, mais a dormir que acordado...
- Bom dia. Eu queria um selo, por favor.
- Bom diaaa. ... ... Atã, vamos lá a saberi... com' é o selo que vó'xcelência queri???
- É um selo normal...
- Mas é qui nóis num temos selos normali. Temos muntos tipo di selos... tá comprendendo vó' xcelência ???
- Só preciso de um selo para um envelope.
- Atã, vamos lá a saberi... o envelopi é um envelopi grandi ou piqueno?
É que ê nã lhe vou dari um selo piquenino para um envelopi grandi e vici-versa.
- É um envelope de carta normal...
- Atã, e é uma carta de amori ou uma carta de negócios? É que eu nã lhe vou dar um selo com corações se for carta de negócios e vici-versa.
- É uma carta normalíssima...
- Atã, e a carta... é para Portugal ou para o estrangêro? É que eu nã lhe vou dari um selo mais caro se a carta fori para o nosso país e vic...
- Ó homem, dê-me um selo para a carta. Não importa qual seja...
E é subitamente interrompido... Ele vê um homem que acaba de entrar
na loja, a puxar uma corda pelos ombros, e arrastada pela corda, uma... sanita!
Chegado ao balcão, o homem pega na sanita, põe-na em cima do balcão, e diz ao empregado:
- PRONTO! AQUI ESTÁ A MINHA SANITA! OS MEUS AZULEJOS SÃO BRANCOS... O CÚ JÁ LHO MOSTREI ONTEM... AGORA, VENDA-ME UM ROLO DE PAPEL HIGIÉNICO!!!!

sábado, agosto 29, 2015

EM TEMPO DE FÉRIAS... ESCOLHA O SEU HOTEL
Um grupo de mulheres em férias foi a um hotel 5 estrelas do tipo "apenas para mulheres". Como elas estavam sem seus namorados decidiram entrar. O recepcionista, um rapaz muito atraente, explicou como funcionava...

- Nós temos 5 andares...subam pela escada e quando encontrarem o que desejam... podem ficar.
É fácil decidir, já que em cada andar há uma placa dizendo o que vocês irão encontrar.

As nossas amigas subiram para o primeiro andar onde uma placa tinha escrito:
"TODOS OS HOMENS QUE ESTÃO AQUI SÃO PÉSSIMOS AMANTES, PORÉM SÃO SENSÍVEIS E GENTIS COM AS MULHERES"

As mulheres riram e prontamente dirigiram-se ao próximo andar...
A placa do Segundo andar dizia:
"TODOS OS HOMENS AQUI SÃO ÓTIMOS AMANTES, PORÉM GERALMENTE TRATAM MUITO MAL AS MULHERES"

'Assim não serve! ‘ Foram então para o terceiro andar e a placa dizia:
"TODOS OS HOMENS AQUI SÃO ÓTIMOS AMANTES E TAMBÉM SENSÍVEIS PARA COM AS NECESSIDADES DAS MULHERES"

Este parecia bom, mas ainda havia mais dois andares para investigar... Então elas foram ao quarto andar.
A placa anunciava o paraíso:
"TODOS OS HOMENS AQUI TEM CORPOS PERFEITOS; SÃO SENSÍVEIS, GENTIS E ATENCIOSOS COM AS MULHERES; SÃO AMANTES PERFEITOS; SÃO TAMBÉM SOLTEIROS, RICOS E MACHOS

Todas ficaram maravilhadas, porém decidiram ver o que havia no último andar antes de decidir ficar no quarto.
Quando chegaram ao quinto andar viram a placa que dizia:
"NÃO HÁ HOMENS AQUI! ESSE ANDAR FOI CONSTRUÍDO APENAS PARA PROVAR QUE NÃO HÁ COMO SATISFAZER UMA MULHER ! ! "

quinta-feira, agosto 27, 2015

VISITAR O FOSSO DAS MURALHAS
Ontem à tarde e pela 1ª vez atravessei a ponte (passadiço) que liga o Parque do Baluarte à Prageira.
Inevitável recordar o meu pai e tantos momentos por ele vividos no velho campo do Baluarte. A “ponte” fica sensivelmente a meio de onde ficava o campo do Peniche. Recordo quantas tardes ali passei em pé a ver os jogos do GDP. Na parede da muralha do nosso lado esquerdo, para quem está de costas para a abertura da muralha, encontrava-se o velhinho marcador, uma casota em madeira onde se alteravam os resultados dos jogos. Do lado direito a “bancada central” em madeira.
Recordo os tempos de atravessar a Ponte Velha para ir ver os jogos do Peniche. E recordo apanhar os “foguetes” hastes da planta mais abundante naquela zona (os juncos) e ir com eles todo o percurso.
Recordo os momentos de glória do velhinho GDP e as tardes de pancadaria normalmente nos jogos contra o Caldas e o Torriense.
Tudo passou num rodopio enquanto caminhava ouvindo os meus passos que se confundiam com as vaias ao árbitro e os aplausos à nossa equipa.
Hoje aquele espaço não significa muito para os nossos jovens. Nem existem fotografias no Museu de Peniche que o recordem. No entanto ali se construíram sonhos e esperanças. Dali saíram jovens que acabaram a pontificar em equipas de 1ª grandeza, Sporting, Benfica, Belenenses e Boavista.
Em momentos de muito desânimo, o Campo do Baluarte foi o escape para dias sem peixe, para miséria que acabou em emigração, para a tristeza dos dias que os mais atentos sentiam sempre que iam para o mar e passavam junto à Fortaleza onde os demónios escondiam os mais lutadores filhos de Portugal.
Olho para o Fosso das Muralhas hoje, e sinto que me faltam o engenho e arte para transmitir memórias de um tempo que teima em regressar. E que os mais jovens precisam de conhecer para dele se poderem defender.
Lamento profundamente que o futuro em Peniche se construa sobre os destroços do passado sem que ao menos se acautele que restem símbolos que nos permitam compreendê-lo.
Nem uma Fábrica de conserva para a memória da nossa indústria. A Central eléctrica é nada. Um zero absoluto. Dos nossos espaços verdes e de desporto fica um ou outro registo. Somos um povo sem memórias prestes a tornarmo-nos um povo sem futuro.     

Carlos Tiago enviou-lhe uma hiperligação para um blogue:
Não me perguntes onde, nem quando, mas há tempos atrás li e guardei esta frase; Um povo sem o conhecimento da sua história, origem, e cultura é como uma árvore sem raízes. Infelizmente, de há muitos anos a esta parte, é o que eu sinto que nos estão a tentar fazer.

quarta-feira, agosto 26, 2015

OS DIAS SUCEDEM-SE AOS DIAS
Sempre iguais. Para terminar a fase de euforia de Peniche terra de Turismo e capital da onda, faltam breves 5 dias. Depois é aguardar pela etapa do Mundial de surf e Peniche recolherá à sua normal indolência.

Os velhos mascaram-se de seniores e auto animam-se nas suas actividades. Fingem-se jovens estudantes. Embora critiquem estes últimos sempre que a sua doce paz podre é perturbada pelas festas mais ou menos fantasiosas (e muitas vezes pouco edificantes) das ditas “praxes académicas”.

Os que trabalham irritam-se com os ciganos e com os drogados que “vivem” à sua custa. Enquanto os donos dos bancos vão sacando à tripa-forra e a gente vai pagando.

No dia 4 de Outubro iremos a votos. Ainda não vos disse como vou votar mas a seu tempo sabereis. Até lá alguns visitar-nos-ão e dirão que defendem o nosso futuro. Cá por mim fico com uma certa curiosidade em saber se aquele exemplar do CDS, a Conceição Cristas, nos visitará. Se vier aconselho uma visita ao Porto de Pesca e às Fábricas de conserva. E aos meus conterrâneos apoiantes da coligação do PSD e do CDS proponho que lhe ofereçam um almoço com latas de conserva de sardinha. A lata dos políticos já não é só manhosa. É ofensiva para as gentes de Peniche e Nazaré. Na hora de votar não se esqueçam que a senhora faz parte da lista de candidatos pelo Distrito de Leiria. Ah! Ah! Ah!

segunda-feira, agosto 24, 2015

AS EXCURSÕES DO SR. PRIOR
Num dos dias da semana que passou fui à consulta de rotina do pulmão no Hospital Pulido Valente. Por razões que não interessam a esta crónica acabei por atravessar a Ponte 25 de Abril. A minha mulher que nestas coisas tem memória de elefante, deu por si a recordar a sua 1ª visita ao Cristo Rei numa excursão organizada pelo sr. Prior.

O Pe. Bastos tinha destas coisas. Nenhum paroquiano deixava de ver o que ele considerava essencial para cimentar a sua fé. Não seria um tempo (1967) em que as diferenças sociais mais se acentuavam e em que a pobreza era mais limitativa, que impediria que os que viviam em Peniche tivessem acesso ao que para eles seria importante.
Digamos que o Pe. Bastos e o Zé Antão foram as pessoas que nos anos 50 e 60 mais contribuíram para abrir as janelas do nosso país aos penichenses.

Hoje, é completamente incompreensível para os nossos jovens que ir a Lisboa demorasse 3,5 horas na melhor das hipóteses. E que houve dias em que para subir a calçada de Carriche os passageiros tivessem que sair das camionetes do João Henriques e até dar um empurrãozito. Ir ao Algarve, a Fátima (e nós os que ficávamos, íamos ao campo da torre ou aos portões contar as “caminetes da carreira” que partiam), ao Bom Jesus de Braga, ao Cristo Rei, só de excursão.

E era uma festa.

 

domingo, agosto 23, 2015

IDA AO MÉDICO
José da Silva está com muita dor no braço direito e resolve ir ao médico. Chegando lá o Doutor diz:
- Tenho um novo e avançadissimo computador aqui, basta você urinar neste potinho que eu coloco no computador e ele nos dirá o que você tem.
- Ah Ah Ah, eu não acredito nisto, doutor, sou um Analista de Sistemas e nunca ouvi tamanha asneira!!
Mas para não contrariar o médico, José acaba urinando no potinho.
O médico coloca-o no computador, aperta um botão aqui outro ali e a máquina começa a processar.
Passados uns 30 segundos, sai um papel impresso de dentro da máquina, e então o doutor lê em voz alta:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Artrite no braço direito

José exclama:
- O quê?? Como essa máquina fez isso?! Eu não acredito!!!
- Doutor, eu quero fazer o exame novamente... Vou levar o pote para casa e farei xixi nele, amanhã em jejum, e trarei para o senhor novamente.
José vai então para casa e no dia seguinte, em jejum, faz xixi no pote e leva-o ao médico, que o coloca no computador para processar..
Sai novamente um papel impresso de dentro da máquina com o seguinte:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Artrite no braço direito

Doutor, realmente eu não acredito nisto aqui !!
Vou fazer novamente este exame, dê-me outro pote!!
José vai para casa com outro pote, faz xixi dentro dele, pede à mulher e à filha para fazerem também, coloca um pouco de óleo do carro dele dentro do pote e ainda por cima se masturba e coloca o resultado no pote, mistura tudo e leva ao médico.
José pensa: "eheh agora quero ver esse computador,eheh".
O doutor coloca novamente na máquina, e novamente sai um papel:

José da Silva
34 anos
Branco
Analista de Sistemas
Corno
Filha grávida de 3 meses
O carro precisa trocar o óleo
E a próxima vez que for se masturbar, faça com a mão esquerda pois O BRAÇO DIREITO ESTÁ COM ARTRITE !!!

sexta-feira, agosto 21, 2015

VAMOS AOS FADOS
Este verão um dos meus amigos (e só utilizo esta palavra em muito poucas situações), regressou da Alemanha reformado e feliz. Por regressar a Peniche onde se sente bem.
Um destes dias juntámo-nos a conversar em casa dele. Entre outras coisas ele recordou uma foto que o acompanhou no seu tempo de Alemanha. E que guarda agora num álbum.

Sinceramente não me recordava do dia retratado, nem das circunstâncias. Vão lá muitos anos. E nem sequer guardei uma foto daquelas.
Mas hoje, passados tantos anos, o coração enchesse-me de ternura pelo momento, pelas pessoas e pelas memórias que guardo de tantos e tantos momentos partilhados.
Sou devedor destas pessoas que ao longo do tempo me têm dado o que de melhor sempre tiveram:
 

sábado, agosto 15, 2015

sexta-feira, agosto 14, 2015

UM CONSELHO ÚTIL
Dizia-me um amigo meu:

- Só há uma maneira de manter um nazareno quieto e calado por mais de uma hora. É escrever “VIRE POR FAVOR” nos 2 lados de uma folha em branco e entregar-lha.

quinta-feira, agosto 13, 2015

UM NAZARENO ATENTO
Um Nazareno estava a conduzir o seu automóvel novinho em folha, quando viu uma placa que dizia:

“Curva perigosa à esquerda”

Não teve dúvidas. Virou à direita!

quarta-feira, agosto 12, 2015

AS NOVAS LEIS DE MURPHY
* Todo o corpo mergulhado numa banheira faz tocar o telefone.
* A probabilidade do pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor da carpete.
* Mais vale um pássaro na mão do que um a voar sobre a nossa cabeça.
* Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada.
* Toda a partícula que voa encontra sempre um olho.

terça-feira, agosto 11, 2015

segunda-feira, agosto 10, 2015


FAZ PORQUE TE SENTES BEM A FAZER. NÃO PORQUE QUERES PARECER SER.

sábado, agosto 08, 2015

sexta-feira, agosto 07, 2015

quinta-feira, agosto 06, 2015


O GREGO MALUCO E O SENHOR QUALQUER COISA
Por Artur Pereira*

“Varoufakis é calvo como um mongol, reconhecidamente inteligente, um sex symbol de mota, que como sabemos tem um simbolismo psicológico poderoso. Vive à beira do vulcão é actor da história colectiva do seu país.
Marques Mendes, na sua consulta semanal televisionada, veio regurgitar indignação a propósito da, em sua douta opinião, comprovada doença mental de Varoufakis.
O destrambelhamento do grego terá ficado óbvio após a descoberta de um perverso plano B com a sua assinatura, que incluía a prisão de governadores, roubos de identidade fiscal dos cidadãos, assalto a bancos, cerco a empresários, enfim, o terror jacobino à solta nas ruas de Atenas.

“Este homem é louco e perigoso, é louco, louco…”, prevenia um Marques encolerizado, ao mesmo tempo que apontava com o dedinho para a cabeça, num esforçado domínio da linguagem gestual que merece registo.
Mas há um inconveniente neste suponhamos delirante do Dr. Mendinho. O famoso plano B, que qualquer gerente de matadouro acautela para o caso de as alimárias lhe falharem ao facalhão, nunca teve os factores tenebrosos que Marques Mendes sublinhou espevitado.
Todo isso já foi denunciado, pela imprensa grega e pela imprensa internacional, pelo Parlamento de Atenas, pelo primeiro-ministro Tsipras, e até por políticos europeus.
Foi um boato inserido numa campanha de contra-informação, ao bom velho estilo das campanhas psicológicas para destabilizar governos legítimos. Faz parte do abecedário das técnicas do golpe de Estado.
É sempre preciso descobrir insondáveis intenções, agendas ocultas, um projecto antidemocrático escondido aos cidadãos pelos governos eleitos.

Foi assim no golpe de Estado no Irão de 1953, na Operação Ajax, organizada pela CIA para derrubar o governo democraticamente eleito do primeiro-ministro iraniano Mohammed Mossadeg, e foi assim no Chile em Setembro de 1973, para derrubar o governo eleito e assassinar Salvador Allende, só para dar dois exemplos.
O objectivo do boato, e de uma campanha negra, passa por destruir e atingir a personalidade e a idoneidade do líder ou do rosto mais destacado num processo de mudança ideológica e política. Destruído o homem, debilita-se o símbolo, fragiliza-se a ideia e quebra-se a unidade.
Além de que o boato nunca é comprovado. É uma especulação, um conjunto de afirmações imprecisas que no conjunto formam um imaginário com fortes referências aos receios colectivos, à insegurança, à suspeita, a mitos e preconceitos.
São os canais usados para o boato crescer, como credo ou notícia, e o perfil dos emissores, que lhe vão dar forma e aparência de credibilidade. O boato não precisa de conteúdo, precisa de espaço.
Ele deve criar o ambiente e as condições para que no limite seja aceite como natural pela maioria da sociedade, sem praticamente resistência ou com a indiferença generalizada, uma interferência externa, um golpe ou a suspensão da democracia.

No Portugal pós-25 de Abril fizeram o mesmo. O boato foi uma arma privilegiada de uma reacção ferida, desejosa de limitar e mesmo fazer recuar as liberdades acabadas de conquistar. Muitos dos que nesse tempo, de forma generosa e séria, lutavam por criar melhores condições de vida para os portugueses eram acusados de loucos.
Nestas campanhas de contra-informação, que são parte integrante do arsenal das guerras não declaradas, são as personalidades e os governos visados que têm de se desmultiplicar nos desmentidos e na desmontagem da falsidade.
Batalha quase sempre perdida, porque como o boato não existe como elemento formal e material, como a sua origem é sempre impossível de referenciar, é praticamente impossível provar o embuste daquilo que não se consegue apresentar.
Marques Mendes sabe tudo isto, mas preferiu ser porta-voz da perfídia, colaboracionista e cúmplice da farsa. Sente--se mais no tamanho de Schäuble, é da sua natureza.
Preferiu o princípio, inventado nos anos 30 na Alemanha por um antecessor seu na pasta da Propaganda, de que “uma mentira repetida mil vezes passa a ser verdade”.
Logo o Marques é um intruja, o que nem é de admirar de quem se especializou na fancaria política, a querer controlar alinhamentos dos telejornais da RTP, e a censurar as agendas das redacções.
Claro que tudo isto pode encontrar simples explicação nas indizíveis margens da complexa engenharia da alma humana. Quer dizer, pode ser trauma.
foto do jornal i
Varoufakis é calvo como um mongol, reconhecidamente inteligente, um sex symbol de mota, que como sabemos tem um simbolismo psicológico poderoso, vive à beira do vulcão e é actor da história colectiva do seu país.
A nós, que somos periféricos, saiu-nos o Marques Mendes às voltas com Freud, sempre a olhar para cima, perseguido pelo maldito adágio popular de que “homem pequenino, velhaco ou dançarino”.
E para dizer a verdade não o estou a ver dançar nada, nem a macarena.”

*Consultor de comunicação
Escreve às quintas-feiras

 

quarta-feira, agosto 05, 2015

APRENDENDO OUTRAS LÍNGUAS...

Russo
Conjunto de àrvores: boshke.
Insecto: moshka.
Cão comendo Donuts: Troski maska roska.
Piloto: simecaio patatof.
Prostituta: Lewinsky.
Sogra: storvo.
Viúva jovem: vagina seminova.

Alemão
Abrir a porta: destranken.
Bombardeio: bombascaen.
Chuva: gotascaen.
Sogra: ajjj.
Vaso: frasko.

Árabe
Metralhadora: Allavai abalabalabalabalabala.
Elevador: alicima vai
Beijo: saliva-vai-saliva-vem.
Necessito um banho: molhamed.

Chinês
Cabelo sujo: chin-champu.
Desçalco: chin chinela.
Top-less: chin-chu-tia.
Hemorróidas: cu-chai-chang
Escândalo sexual: Clin ton.
Excitado: yaminabo taduro.
Cornudo: chi-frudo
Naufrago: chin-chu-lancha.
Nudista: chin-calcao.
Pobre: chen luz, chen agua e chen gaz.
Veneno: bai gon.

terça-feira, agosto 04, 2015

TEMPO DE FÉRIAS
Durante uns quantos dias, a não ser que outros valores mais altos se "alevantem" iremos aligeirar o nosso blog.
Para vosso e nosso lazer...

domingo, agosto 02, 2015

BEN ANTÓNIO DOS ANJOS COSTA
FALECEU
Esta noite e após doença prolongada, faleceu com a provecta idade de 14 anos o nosso querido amigo. Não mais poderá passear-se pelas ruas de Peniche deixando aqui e ali as suas mijinhas e de vez em quando mais qualquer coisinha. Ficam de si próprio as suas refilisses e a defesa intransigente da casa onde viveu. Que o céu dos cães o acolha de forma carinhosa como ser meritório que sempre foi.