segunda-feira, maio 31, 2010

PENSAMENTO DO DIA
A vida é a arte de tirar conclusões suficientes a partir de dados insuficientes
Samuel Batler

domingo, maio 30, 2010

quinta-feira, maio 27, 2010

PARTILHA
Dei hoje comigo de tarde a ler um dos livrinhos que foram distribuídos com o “i”. Aquele a que me refiro é o “Aviso por Causa da Moral e outros Textos” do Álvaro de Campos. Eu recomendaria que esta pequena brochura fosse dada no 12º Ano. E mais nenhuma outra. Durante o ano lectivo os estudantes deveriam trabalhar estes pequenos textos até assumirem através da escrita que os tinham compreendido e que os viviam na prática escolar.
De todos os que (re)li esta tarde escolhi um para vos transmitir. Que a sua leitura permita usufruírem com o mesmo prazer que eu senti, o facto de poderem ler. Proponho que façam esta leitura de um fôlego só e verão como tudo faz sentido. Depois, porque o texto a isso o convida, mastiguem a leitura e verão que tudo se adensa até que no fim sentimos estar libertos. Neste tempo de dúvidas e dificuldades é um bom texto para nos sentirmos pessoas.

Ambiente
Nenhuma época transmite a outra a sua sensibilidade; transmite-lhe apenas a inteligência que teve dessa sensibilidade. Pela emoção somos nós; pela inteligência somos alheios. A inteligência dispersa-nos; por isso é através do que nos dispersa que nos sobrevivemos. Cada época entrega às seguintes apenas aquilo que não foi.

Um deus, no sentido pagão, isto é, verdadeiro, não é mais que a inteligência que um ente tem de si próprio, pois essa inteligência, que tem de si próprio, é a forma impessoal, e por isso ideal, do que é. Formando de nós um conceito intelectual, formamos um deus de nós próprios. Raros, porém, formam de si próprios um conceito intelectual, porque a inteligência é essencialmente objectiva. Mesmo entre os grandes génios são raros os que existiram para si próprios com plena objectividade.

Viver é pertencer a outrem. Morrer é pertencer a outrem. Viver e morrer são a mesma coisa. Mas viver é pertencer a outrem de fora, e morrer é pertencer a outrem de dentro. As duas coisas assemelham-se, mas a vida é o lado de fora da morte. Por isso a vida é a vida e a morte a morte, pois o lado de fora é sempre mais verdadeiro que o lado de dentro, tanto que é o lado de fora que se vê.

Toda a emoção verdadeira é mentira na inteligência, pois se não dá nela. Toda a emoção verdadeira tem portanto uma expressão falsa. Exprimir-se é dizer o que se não sente.

Os cavalos da cavalaria é que formam a cavalaria. Sem as montadas, os cavaleiros seriam piões. O lugar é que faz a localidade. Estar é ser.

Fingir é conhecer-se.

In “Presença” nº5. Coimbra, 4 de Junho de 1927

quarta-feira, maio 26, 2010

NOME DE RUA
Fiquei surpreendido. E sinceramente não gostei. Hesitei muito em escrever este post e em publicá-lo. Não quero ferir susceptibilidades mas pela coerência com que desenvolvo este blog acho que devo dizer isto. Ganhei coragem ouvindo Amália e os “Amália Hoje”.
Enquanto escrevo vou ouvindo:

“Deste-me um nome de rua
Duma rua de Lisboa.
Muito mais nome de rua,
do que nome de pessoa…”

Os camaradas lembraram-se agora de atribuir o nome de um dos seus a uma rua de Peniche. Acham que se Dionísio Costa e Rute Gonçalves têm nome de rua também o seu representante deve ter. Mas já existe um nome com um deles. Recordo Ilídio de Abreu que tem nome de local que ainda é mais importante que rua, e que só pode atrapalhar os peixes. E têm também o “José da Costa” que é Largo.
De resto para recordar o papel dos pescadores no desenvolvimento de Peniche basta recordar os nomes que andam espalhados por tudo quanto é sítio. Os pescadores de Peniche estão representados pelo seu labor e pela sua actividade como ninguém.
Ir buscar o nome de um camarada que pode ter sido extremamente importante para a defesa do seu Partido e atribuir-lhe nome de rua é demais para quem vive em Peniche e vai morar naquela rua. Para além de que, o seu papel pode ter sido importante no seu sindicato e nas suas actividades partidárias, mas é duvidoso que seja assim tão importante como cidadão.
Ainda tenho atravessado na garganta um “Ponto de Ordem” por si apresentado à Mesa da Assembleia Municipal, que impediu a continuação da discussão sobre a construção no espaço da Papôa e que veio a dar origem aquele aldeamento turístico com que lá deparamos hoje.

“Com um pouco de amargura,
Com muito de Madragoa.
Com a ruga de quem procura,
E o riso de quem perdoa…”

Não gosto da ideia e acho que é uma apropriação indevida das ruas de Peniche com fins político-partidários. Recordo o que em 1974/1975 afastou as pessoas dos comunistas. Senhores autarcas de Peniche não abusem. Olhem que o tiro vos pode sair pela culatra.

terça-feira, maio 25, 2010

A POUSADA DA FORTALEZA
(notícia da LUSA)O arquitecto Álvaro Siza Vieira disse hoje (Domingo) em Peniche ter sido afastado pela Enatur do projecto de transformação da Fortaleza de Peniche em pousada, por discordar da duplicação do número de quartos pretendida pelos promotores.
“Fui afastado do trabalho”, afirmou Siza Vieira, durante uma conferência sobre “a memória” promovida pela câmara de Peniche na Fortaleza.
O arquitecto explicou que, quando da entrada do Grupo Pestana na administração na rede de Pousadas de Portugal, com a privatização da Enatur, em 2003, foi afastado do trabalho por discordar da intenção de criar uma pousada com mais do dobro dos 30 quartos que previa o projecto de arquitectura que elaborou para o espaço e que disse que “não está ainda pago”.
“A duplicação do número de quartos implicava a criação de mais dois pisos, projectei o hotel para ter a mesma altura da fortaleza, por isso aumentar o número de pisos seria uma monstruosidade”, disse.
Contactados pela Lusa, nem a Enatur nem o Grupo Pestana prestaram esclarecimentos sobre o ponto de situação do projecto.
O arquitecto alertou para as “pressões” que vão surgir quanto ao “aumento da volumetria” e “de privatização do espaço”, caso o projecto da pousada se mantiver.
Álvaro Siza Vieira disse ainda que um hotel “não é solução” para reabilitar o património da Fortaleza de Peniche, tendo em conta as “dúvidas” que tem sobre a compatibilização do projecto com a necessidade de preservar a memória história do espaço, que serviu como antiga prisão política.
“Não é uma coisa que se faça de ânimo leve”, sublinhou.
O presidente da câmara de Peniche, António José Correia (CDU), revelou que a autarquia deu um prazo “até Junho” ao Grupo Pestana para apresentar o projecto de viabilidade, que passa por criar 70 quartos na futura pousada para tornar o investimento rentável.
“Se até Agosto não for apresentado o projecto de viabilidade, tomaremos uma decisão”, acrescentou o autarca, que pretende clarificar “em definitivo” o futuro a dar à Fortaleza.
António José Correia recordou que a autarquia concordou em 1999 com a futura pousada por envolver o arquitecto Siza Vieira, cujo projecto compatibilizava a preservação do património histórico, mantendo intacta a memória e os espaços associados às fugas políticas.
“Se o projecto não corresponder a este conjunto de condições não aceitaremos o desafio”, disse.
A fortaleza, em estado de parcial degradação, foi construída no século XVII sobre rochedos em frente ao mar, para defesa da costa, vindo ao longo do tempo a perder interesse do ponto de vista militar, até que, na década de 30 do século XX, foi transformada em prisão política.
À excepção de 15 celas, ocupadas por artistas locais que as transformaram em ateliers, a zona de recreio dos presos (Páteo da Cisterna) e os outros dois pavilhões de dois e três pisos, com mais de 50 celas, estão degradados.
A reabilitação patrimonial da Fortaleza de Peniche tem sido uma preocupação da autarquia e está englobada no Plano de Acção do Oeste assinado entre o Governo e os municípios do Oeste após a deslocalização do aeroporto da Ota, já depois do protocolo assinado com a Enatur para a transformação da Fortaleza em pousada.

domingo, maio 23, 2010

FAZ BEM AO EGOQuando Portugal parece ter batido no fundo. Quando os portugueses se sentem acabrunhados e com muito pouca esperança para o seu futuro colectivo. Sabe bem saber que há quem seja capaz de calar os arrogantes dos ingleses. Quem não é arrasado por Máfias políticas, desportivas ou nacionais. Quem consegue traçar o seu próprio destino, pelo valor que demonstra.
É verdade que este País é pequeno para uma pessoa assim. É verdade que mesquinhos e invejosos como somos também não o merecemos. É verdade que uma pessoa assim tem de sair de Portugal para poder ir tão longe como o seu sonho e capacidades o exigem.

Que José Mourinho seja o símbolo do que desejo a todos os nossos emigrantes nos quais te inclues minha querida filha. Que não vos faltem coragem, determinação e vontade para vencer.

Parabéns e Obrigado José Mourinho.

sábado, maio 22, 2010

DIÁRIO DA POUCA VERGONHA
Surgem-me inúmeros exemplos por email daquilo que os internautas consideram ser exemplos de uma má governação. Normalmente o tratamento que lhes dou é o do "Lixo". Isto porque subjacente ao que me enviam está um denegrir da Democracia com que não posso concordar. Este email que agora me chega vindo do outro do Atlântico é no entanto particularmente doloroso. Porque faz uma transposição do DR deste País sem futuro. Refere-se ao que nos "roubam" (aos contribuintes), mês após mês os pouco ilustres deputados que nos representam na Assembleia da Repúplica. E porque agora em auge da crise decidiram cortar o seu vencimento em 5%, mantendo todos os outros benefícios.
São realmente pouco éticos e pouco recomendáveis as suas atitudes. Gostava de saber o que sente cada um desses "tipos" quando se cruza com um desgraçado que ganha 600€ por mês e tem de sustentar a família com isso e ainda vai descontar IRS. De facto a Política e os políticos perderam totalmente a vergonha. Venha outra república. Esta não presta.

Assunto: Diário da República nº 28 de 10-02-2010
Diário da República nº 28 – I série- datado de 10 de Fevereiro de 2010
–RESOLUÇÃO da Assembleia da República nº 11/2010.Poderão aceder através do site http://www.dre.pt/

Algumas rubricas do orçamento da Assembleia da Republica1
– Vencimento de Deputados ………………………12 milhões 349 mil Euros2
– Ajudas de Custo de Deputados……………………2 milhões 724 mil Euros3
– Transportes de Deputados ………………………3 milhões 869 mil Euros4
– Deslocações e Estadas …………………………2 milhões 363 mil Euros5
– Assistência Técnica ………………………2 milhões 948 mil Euros6
– Outros Trabalhos Especializados ……………3 milhões 593 mil Euros7
– RESTAURANTE, REFEITÓRIO, CAFETARIA………….961 mil Euros8
– Subvenções aos Grupos Parlamentares…………….970 mil Euros9
– Equipamento de Informática ……………………. 2 milhões 110 mil Euros10
- Outros Investimentos……………………..2 milhões 420 mil Euros11
- Edifícios ……………………………………2 milhões 686 mil Euros12
- Transferências Diversas………………….13 milhões 506 mil Euros13
- SUBVENÇÃO aos PARTIDOS na A. R. ………………16 milhões 977 mil Euros14
- SUBVENÇÕES CAMPANHAS ELEITORAIS ….73 milhões 798 mil Euros

Em resumo e NO TOTAL a DESPESA ORÇAMENTADA para o ANO de 2010, é:
€ 191 405 356,61 (191 Milhões 405 mil 356 Euros e 61 cêntimos) – Ver Folha 372 do acima identificado Diário da República nº 28 – 1ª Série - de 10 de Fevereiro de 2010.

Cada deputado, em vencimentos e encargos directos e indirectos custa ao País, cerca de 700.000 Euros por ano.
Ou seja cerca de 60.000 Euros mês.

quinta-feira, maio 20, 2010

COMPETÊNCIAS OU SABERES?
Numa notável entrevista que o Sociólogo António Barreto deu ao DN, diagnosticou o grande pecado da “Educação” no nosso País (e não só), na moda que a certa altura se instalou de apostar nas Competências em vez de fazer incidir como meta os Saberes.
Terá havido pressa e uma colagem a modas pedagógicas (segundo AB) que deram errado. Ler Camões, não pode ser o mesmo que ler um horário de comboios. Pretendeu-se que na sala de aulas professores e alunos são iguais. Que a sala de aula é um local de aprendizagem em vez de um local de ensino.
Isto faz-me recordar uma escola onde trabalhei e em que o Conselho Directivo (e presumo que também o Conselho Pedagógico), considerou colocar dicionários de Português em todas as salas de aula, excepto as de EVT (Educação Visual e Tecnológica) e de TO (Trabalhos Oficinais) porque os operários não precisam de saber ler e escrever.
Ao longo da minha vida académica passei por todas as fases possíveis e imagináveis.:
Desde uma Escola só para os ricos, a uma Escola em que todos são iguais. De uma Escola para todos a uma Escola para desenvolvidos e outra para atrasados. De turmas muito pequenas, para turmas de 40 alunos.
Em todas estas Escolas vi a sede de aprender e a recusa de aceitar ensinar porque dá muito trabalho. Vi jovens que eram autênticos heróis face ao meio donde provinham e das capacidades que denotavam e os valores que aprendiam e vi encarregados de educação que não mereciam os filhos que tinham.
Vi professores dedicados e vi agentes do Ministério da Educação que aguardavam sossegados em casa ou na Escola pelo dia de receber o vencimento. Vi inspectores autores de manuais a quererem que os professores os adoptassem e vi editores de manuais a fazerem-nos para facilitarem a vida aos professores, estando-se borrifando sobre se serviam ou não para ensinar saberes aos alunos.
Vi professores de Português a dizerem Poesia e a dividirem orações numa equação matemática do 1º grau e assim acharem as incógnitas e vi professores de Línguas a ajudarem-nos a resolver os exercícios de Física. É claro que isto era num tempo em que os professores não diziam, se é para fazer a acta é o professor de Português, se é para calcular as médias os professores de Matemática que o façam.
Não são difíceis de perceber as consequências de tantas experimentações pedagógicas falhadas. Temos o País que merecemos e a Escola que semeámos.

quarta-feira, maio 19, 2010

DAQUI A UNS ANOS…
…quando nem este escriba nem os que o lerem cá estiverem se saberá o que resta de todo este linguajar. Saberão os que nos sucederem que erros de avaliação cometemos. Quantos dos nossos valores se perpetuarão.
Quando o CICARP (1968) foi extinto por obra de magia de uma Direcção da Associação Recreativa Penichense onde pontificava o presidente da Acção Nacional Popular, sr. José Fernandes Bento, subjugada aos interesses do regime do Estado Novo, lançamos uma nova iniciativa do que viria a ser a putativa cooperativa Húmus. Eu, o Carlos Mota de longe, o Carlos Vital, o José Rosa e o Adelino Leitão começamos a elaborar os estatutos dessa associação. Aos fins-de-semana vínhamos a Peniche e juntávamo-nos todos onde fosse possível para discutir com o pessoal de cá sobre cada um dos artigos. Levávamos o material aprovado para Lisboa e às terças-feiras no café Império fazíamos amplas reuniões do pessoal de Peniche que estudava em Lisboa para recolher mais opiniões.
Prontas as bases estatutárias, conseguimos uma reunião com um dos maiores defensores do Cooperativismo Português, o Dr. Roque Laia. Este era um homem baixinho, forte, com mais de 70 anos, com um laço em lugar de gravata. Os olhos muito vivos e que denotavam uma inteligência fora do comum.
Era uma pessoa extremamente atenta para ouvir os outros, leu o que lhe apresentamos com uma enorme atenção. A partir daí foi de uma acutilância tremenda que nos fez encolher nas cadeiras em que nos sentamos.
Disparou: “Artº 5º - Podem ser sócios da Húmus todas as pessoas moralmente idóneas.”
“Não se importam de me dizer quem é que define quem é moralmente idóneo ou não?” A partir daí foi uma autêntica aula de cultura cívica que nos deu.
Saímos do escritório do Dr. Roque Laia com muito menos certezas do que quando lá entramos. Mas a Húmus foi criada e foi um enorme êxito. Passado algum tempo foi extinta tal como tantas outras Cooperativas semelhantes por um Decreto de Marcelo Caetano. Mas enquanto existiu foi uma pedrada no charco. Sem subsídios. Sem apoios que não fossem o nosso esforço, perseverança e capacidade de trabalho.
Estranho que hoje para construir um canil, ou um gatil ou um pulguil, tenho de ser a Câmara a dar o terreno e os materiais de construção e mais isto e aquilo. Continuo a pensar que o CICARP e a HUMUS, foram uma escola de intervenção cívica. Que deixaram marcas para o futuro. Foi do seu seio que surgiram alguns dos autarcas que viriam a transformar Peniche naquilo que é hoje. A 40 anos de distância podemos começar a mexer no passado. Porque sem prestarmos contas pelo que aconteceu, nada de bom nos espera no futuro.

segunda-feira, maio 17, 2010

QUEM QUER SABER O QUÊ?
As televisões e os jornais têm dado cabo da paciência a quem as vê e os lê com a história do negócio PT/TVI, como se isso fosse importante para algum de nós simples cidadãos.
A questão central dizem ser sobre se o 1º Ministro mentiu ou não ao Parlamento.
Eu sinto dentro de mim que ele mentiu. Como antes dele todos os que o antecederam mentiram e como penso que os que lhe sucederão também mentirão.
Ainda há muito pouco tempo o Sr. Bush, o Sr. Blair, o Sr. Aznar e o Sr. Barroso lançaram nos respectivos Parlamentos a maior das mentiras deste século, que teve como consequência a morte de milhares de pessoas e nenhum Pacheco Pereira pareceu incomodado com isso.
Aliás é curioso que quando se trata a espiolhar a vida das pessoas só o Sr. Pacheco e os seus educadores de antanho os inefáveis PCPs, parecem estar empenhados.
Eu sinto que o Sócrates mentiu. Mas a mentira dele não é pior nem melhor que a dos outros. Só que acharam estes “idiotas” que conseguiriam fazer cair o Governo desta forma. E os média acompanham-nos porque precisam de vender.
Este País não tem cura com políticos deste calibre.

domingo, maio 16, 2010

ERAM ASSIM AS NOSSAS MÃES
Coisas que as nossas Mães diziam e faziam...Uma forma que hoje é condenada pelos educadores e psicólogos, mas funcionou com as gerações anteriores.Talvez se não tivessem mudado tanto, o nosso mundo estivesse melhor...(Até a tabuada foi abolida...)
A Minha Mãe ensinou-me a VALORIZAR O SORRISO...
"VOLTAS A RESPONDER-ME E LEVAS NOS DENTES!'
A Minha Mãe ensinou-me a RECTIDÃO.
'EU ENDIREITO-TE NEM QUE SEJA PRECISO UMA CARGA DE PORRADA!'
A Minha Mãe ensinou-me a DAR VALOR AO TRABALHO DOS OUTROS...
'SE TU E O TEU IRMÃO QUEREM MATAR-SE, VÃO LÁ PARA FORA. ACABEI DE LIMPAR A CASA!'
A Minha Mãe ensinou-me LÓGICA E HIERARQUIA.
'PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI?'
A Minha Mãe ensinou-me o que é MOTIVAÇÃO...
'CONTINUA A CHORAR QUE EU VOU DAR-TE UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA CHORAR!'
A Minha Mãe ensinou-me a CONTRADIÇÃO...
'FECHA A BOCA E COME!'
A Minha Mãe ensinou-me sobre ANTECIPAÇÃO...
'ESPERA SÓ ATÉ O TEU PAI CHEGAR A CASA!'
A Minha Mãe ensinou-me sobre PACIÊNCIA...
'CALMA!... QUANDO CHEGARMOS A CASA VAIS VER ...
'A Minha Mãe ensinou-me sobre RACIOCÍNIO LÓGICO...
'SE CAIRES DESSA ÁRVORE VAIS PARTIR O PESCOÇO E EU AINDA TE DOU UMA SOVA!'
A Minha Mãe ensinou-me GENÉTICA...
'ÉS IGUALZINHO AO TEU PAI!'
A Minha Mãe ensinou-me acerca das minhas RAÍZES...
"PENSAS QUE NASCESTE NUMA FAMÍLIA RICA É?
'A Minha Mãe ensinou- me sobre a SABEDORIA DE IDADE...
'QUANDO TU TIVERES A MINHA IDADE, VAIS ENTENDER E JÁ SERÁ TARDE DEMAIS.'
A Minha Mãe ensinou-me sobre JUSTIÇA...
'UM DIA TERÁS FILHOS, E ELES VÃO FAZER CONTIGO O MESMO QUE TU FAZES COMIGO! AÍ VAIS VER O QUE É BOM!'
A Minha Mãe ensinou-me RELIGIÃO...
'REZA PARA QUE ESSA MANCHA SAIA DO TAPETE!'
A Minha Mãe ensinou-me DETERMINAÇÃO...
'VAIS FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER A COMIDA QUE TENS NO PRATO!
'A Minha Mãe ensinou-me a SER OBJECTIVO...
'EU CORRIJO-TE DE UMA SÓ VEZ!
A Minha Mãe ensinou-me a TER GOSTO PELOS ESTUDOS...
'SE EU FOR AÍ E NÃO TIVERES TERMINADO A LIÇÃO, ESPERA QUE VAIS VER!...
' A Minha Mãe ensinou-me os NÚMEROS...
'VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER AINDA LEVAS UMA SOVA!
O b r i g a d o M ã e ! ! !

sábado, maio 15, 2010

COM A CHUVA QUE TEM CAÍDO...
tenho mesmo de rever o estado da minha arca.

sexta-feira, maio 14, 2010

RESCALDO DA VISITA DO PAPA AO PORTO
Só porque ia vestido de vermelho e na homilia invocou o nome de "Jesus".

quinta-feira, maio 13, 2010

MORREU EUSÉBIO
Não. Não me refiro ao fabuloso jogador de futebol do Benfica e ícone português. Morreu o amante e pai dos filhos de Amália. Também aqui é preciso ter cuidado com a associação de nomes. Esta Amália também não é a cantadeira.
Falo do casal de lontras que foi a delícia de mais de 6 milhões de visitantes que o Oceanário de Lisboa já teve. Brincalhão e senhor do seu nariz Eusébio cumpriu o que lhe era pedido, fez filhos e encantou todos os que o viram. Foi fotografado no banho sem perder a compostura. Tratou do seu espaço para que Amália se sentisse confortável, sem nunca a ter escravizado.
Agora morreu deixando Amália inconsolável. Se ela ao menos soubesse cantar o fado ouviríamos na Avenida das Descobertas o som dolente das guitarras e a sua voz clamando pela perda do seu amor.
Que os vossos amigos encontrem depressa companhia que torne o vosso habitat tão enternecedor como era com a presença do ente agora desaparecido.

quarta-feira, maio 12, 2010

NÃO GOSTO DO PAPA BENTO XVI
È uma figura que não me desperta nem humanismo, nem vontade acreditar na existência de Deus. Ao contrário de João XXIII, João Paulo II, que se ocuparam de conquistar o Homem para chegar a Deus, este Papa parece-me mais interessado em descobrir na Teologia o que eu posso fazer ou não para ganhar a Salvação Eterna. Enquanto isso, vamo-nos perdendo em disputas uns com os outros e afastando mais dum ministério de fraternidade que devia presidir às relações entre todos nós.
Reconheço nos Papas a liderança da Igreja Católica e a sua hegemonia absoluta sobre todos os católicos praticantes. Não lhes reconheço infalibilidade nenhuma nem mesmo em questões de fé. A Fé é aquilo em que a gente acredita seja lá isso o que for. Se me impõem regras passa a ser um dogma. E os dogmas são o caminho mais rápido para a privação da Liberdade individual.
Se os Papas fossem uma emanação de Deus através do Espírito Santo, este não permitiria que tivessem existido Papas como Sisto IV, ou Alexandre VI, ou Paulo II, ou Inocêncio VIII, ou Bonifácio VIII. Bem pode Bento XVI vir agora dizer que o pior inimigo da Igreja está dentro dela e penitenciar-se por isso. Os que morreram na fogueira para que a Igreja ou os seus ministros lhes ficassem com os bens (que ao que consta nunca foram devolvidos), jamais perdoarão aos seus algozes.
Respeito os líderes sempre que estes se impõem pela sua pública acção em prol da pacificação da humanidade. Quando estes se debruçam em si mesmos e fazendo do seu poder a base do que exigem aos outros, deixam de me interessar e passo à frente.
No caso da Chefia da Igreja Católica reconheço o carácter transversal do seu reinado em relação a todos os povos crentes do planeta. Mas se não falar para todos os Homens independentemente da sua Fé, condição social ou escolhas pessoais, torna-se mais um Monarca entre os seus e não pode esperar atingir o coração de todos.
Ainda não tive um sinal nem do seu humanismo, nem da sua bondade. Os seus pedidos de perdão sabem-me a tardios e a imposições mais do exterior que atitudes assumidas convictamente dentro de si.
PS: Isto não significa que dentro dos limites do razoável o Estado Português não deva prestar ao Chefe Máximo da Igreja Católica as homenagens que lhe são devidas. E o dinheiro que de forma directa ou indirecta é utilizado para isso não é dinheiro esbanjado. É um pouco do muito que os católicos portugueses despejam ano após ano nos cofres do Estado. Portanto há que reconhecer o direito a respeitar o seu representante religioso.

terça-feira, maio 11, 2010

O PORCO-ESPINHO
Vou oferecer-vos uma história que me chegou por email, que seria bom que todos a podessemos fazer como uma filosofia de vida:

"Já viste um filhote de ouriço-cacheiro?
Então vê e, no final, lê a pequena fábula





A Fábula do Porco-espinho.
Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.Por isso decidiram se afastar uns dos outros e começaram de novo a morrer congelados.
Então precisaram fazer uma escolha: ou desapareciam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. E assim sobreviveram.

Moral da História:
O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e a admirar suas qualidades."

segunda-feira, maio 10, 2010

CAMPEÃO 2009/20010
e foi à escala global que se realizaram os festejos. Com alegria. Com prazer. Ser do Benfica é um estado de alma. É ter um espírito Universal. A nossa vitória é a vitória de todo um povo que se revê no que de melhor é capaz de fazer.

domingo, maio 09, 2010

UMA QUESTÃO DE OPINIÃO
No Alentejo, um autocarro que transportava o governo chocou com uma árvore.Pouco depois, chegou um jornalista e perguntou a um alentejano que estava por ali com uma pá na mão:
- O Senhor viu o que se passou?
- Vi, si senhóri.
O autocarro co' governo espetou-se no chaparro.
- E onde estão os políticos?
- Enterrê-os todos!
- Mas... não estava nenhum vivo?
- O 1º Ministro dizia que sim, mas vossemecê sabe como ele é mentiroso...

sábado, maio 08, 2010

SERES HUMANOS E AS SUAS RÉPLICAS