quinta-feira, dezembro 31, 2009

2009/2010
Aos que sofreram no decorrer deste ano,
desejo um 2010 pleno de Paz e de Felicidades.
Aos que desesperaram,
que o Novo Ano seja um mar de oportunidades.
Aos que acabam o ano de 2009 Felizes consigo próprios,
desejo que o próximo ano seja o continuar de ventura que merecem.

PS: Não tenho votos de Alegria para os hípócritas, para os vigaristas que fazem do desprezo pelos outros a sua senda de conquista. Já não tenho idade nem paciência para os aturar. Que se afundem no seu próprio vómito.

quarta-feira, dezembro 30, 2009

domingo, dezembro 27, 2009

CUMPRIMENTAR EM GRUPO, DÁ ENGANOS...
Dois alentejanos, zangados à muito tempo, passam um pelo outro num caminho.
Um deles leva um bovino à frente. Diz o outro:
- Atão vai passear o boi?
O outro, muito admirado:
- Mas que jêto, compadre? A gente nã se falava há tanto tempo! Mas isto nã é um boi. É uma vaquinha. O compadre enganou-se.
Responde o primeiro:
- Ê cá nã falê consigo. Foi com a vaca.

sábado, dezembro 26, 2009

UM NATAL FELIZ NÃO É PARA TODOS

quinta-feira, dezembro 24, 2009

FELIZ NATAL
Pleno de felicidades e Paz na companhia de todos os vossos entes queridos.

terça-feira, dezembro 22, 2009

PRENDA DE NATAL
Trocamos prendas de Natal. Comum é a oferta de livros. Que uns gostam de oferecer e outros de ler. Ou que não uns e outros, mas que à falta de melhores ideias permite ultrapassar a dificuldade de não saber o que oferecer. A vós que passais os olhos por aqui ofereço-vos este texto de Fernando Pessoa. Curtinho. Mas que dói imenso dentro de nós porque passado quase um século continua tão actual. Na política e nos costumes. Na moral e na religião. No que somos não sendo. Neste Natal de 2009 atravessado por dificuldades que nos aproximam cada vez mais dos povos mais atrasados do mundo, precisamos de pensar no que nos espera se não formos capazes de sair deste atoleiro imenso.

A nossa crise provém, simplesmente, do excesso de civilização dos incivilizáveis. Esta frase, como todas as que envolvem uma contradição não envolve contradição nenhuma.
A excessividade – a aspiração desmedida porém lúcida, a ânsia indefinida tendendo constantemente para nunca se deixar definir – constitui o característico distintivo do povo português, o que lhe é essencial -, profundamente.
Entendamo-nos bem quanto a esta excessividade. Todos os povos são naturalmente excessivos nas qualidades que os distinguem; mas isso é, não porque sejam excessivos, mas porque têm essas qualidades distintivamente, acentuadamente, e por isso as têm frequentemente em excesso. A excessividade do português, é, porém, excessividade vazia, só excessividade, excessividade pura. O povo português não tem qualidades: tem só excessividade. O temperamento português é a falta de um temperamento; e, além disso, é excessivo. O português é plástico, amorfo, indefinido, incerto. Só tem de seu não ter nada de seu; além disso tem o excesso. O excesso de quê afinal? O excesso de nada, o puro excesso, o excesso de si próprio, da abstracção de ser.
Todo o ibérico é, em verdade, essencialmente excessivo; porém o espanhol é-o exteriormente, na expressão apenas (de onde a sua exageração notável), o português é-o, sobretudo, interiormente. Exageramos menos nas palavras que o espanhol típico; é nos sentimentos que somos tipicamente desmedidos.
Qual é a causa deste temperamento? Não sei. O não saber a causa real de nada é um dos encantos da ciência. Porventura a nossa situação ao mesmo tempo absolutamente meridional e absolutamente atlântica, o nosso sudoestismo absoluto, o explicaria. Se a explicação não é esta, é sem dúvida qualquer outra.
Sendo assim organicamente excessivos e desmedidos, resulta que, estando à vontade só no excessivo, só no excessivo, onde os outros se desequilibram, atingimos o equilíbrio. O que é excessivo, nas suas manifestações? O universal, que transcende todas as diferenças; o sintético, que funde todas as coisas, para a todas possuir; o ilimitado que tem dentro de si o alimento perpétuo da sua perpetua ânsia. O português é por temperamento anti-tradicionalista, anti-português. O português é absolutamente antagónico, como aliás, todo o ibérico, ao espírito latino, pertença exclusiva da Itália e da França, e que dos Pirenéus para cá não tem razão de ser. É uma das tristes ironias do destino, sempre irónico, porque a Providência é imoral, que tenha estado enfeudado ao catolicismo.

segunda-feira, dezembro 21, 2009

ATÉ NA MISÉRIA É PRECISO SER ESPERTO

domingo, dezembro 20, 2009

O ÚLTIMO A RIR...
Amit era um alto funcionário na corte do Rei Akbar. Ele, havia há tempo, nutria um desejo de chupar os voluptuosos seios da rainha atá se fartar.Todas as vezes que tentou, porem, saiu-se mal. Um dia ele revelou o seu desejo a Birbal, principal conselheiro do rei, e pediu que ele fizesse algo para ajudá-lo.
Birbal, depois de muito pensar, concordou, sob a condição de Amit lhe pagar mil moedas de ouro. Amit fez o acordo.
No dia seguinte Birbal preparou um liquido que causava comichões e derramou no soutien da rainha que o deixara fora enquanto tomava banho.
Logo a coceira comecou e aumentou de intensidade, deixando, o rei preocupado.Estavam a ser feitas consultas a médicos, quando Birbal disse que apenas uma saliva especial, se aplicada por quatro horas, curaria o mal. Birbal também disse que essa saliva só poderia ser encontrada na boca de Amit.
O Rei Akbar chamou Amit, que pelas quatro horas seguintes, chupou violentamente os seios da rainha. Lambendo, mordendo, apertando e passando a mão, ele fez o que sempre desejou.
Satisfeito, ele encontrou-se com Birbal. Como a missão deste já fora cumprida e o seu libido estava satisfeito, ele recusou-se a pagar ao conselheiro e ainda o escorraçou. Amit sabia que, naturalmente, Birbal nunca poderia contar o facto ao rei.
Mas Amit havia subestimado Birbal.
No outro dia, por vingança, ele colocou o mesmo liquido na cueca do rei, que imediatamente mandou chamar Amit...

sexta-feira, dezembro 18, 2009

Espermatograma...
Um velhinho tinha que fazer espermatograma. Foi a farmácia e comprou um frasco... Chegando a casa, foi ao banheiro e tentou com a mão direita, tentou com a esquerda e ate com as duas... e nada! Então, chamou a sua mulher. Ela tentou com a mão direita, tentou com a esquerda, com as duas e até com a boca e...também não conseguiu nada. Sem qualquer resultado, chamou a filha que tinha 18 anos, era a menina mais encantadora do bairro. E, mais uma vez, repetiram-se as tentativas... uma mão, outra, as duas boquinha mas...e não conseguiu. Não vendo outra opção, ela chamou a vizinha.Esta, querendo ajudar, mesmo bastante constrangida, tentou com a mão direita, com a esquerda, com as duas mãos e, muito sem graça, pediu licença e tentou com a boca, mas não houve qualquer alteração! O velhote triste, de cabeça baixa, voltou à farmácia e devolveu o frasco dizendo:
"- Ninguém lá em casa conseguiu abrir esse frasco!"

quinta-feira, dezembro 17, 2009

NATAL DE 2009 – PASSAGEM DE ANO 09/10
A partir de hoje e durante este período de Festas de família, vou dar descanso a mim e aos outros. Vou interromper os meus “pensares” e “conversares”.
Publicarei só notas de humor que espero vos façam sorrir.
A todos Festas Felizes.

terça-feira, dezembro 15, 2009

NATAL DE CONSUMO
Pé ante pé o Pai Natal foi-se insinuando. Devagarinho. Lentamente. Até que ocupou as 1ªs páginas dos jornais, revistas e televisões. Ocupou o imaginário das crianças. Com alguma razão convenhamos. Sou ainda do tempo em que Deus e Cristo eram figuras com que nos ameaçavam em crianças, para nos atribuírem o fogo eterno do Inferno.
Ora nenhuma criança “curte” arder eternamente. O Pai Natal gosta que nos portemos bem, mas se não portarmos não nos ameaça com castigos intemporais. O mais que pode acontecer é falhar com algumas prendas. As crianças gostam dele. E os pais das crianças também. Ele serve como desculpa se o emprego falhar e não houver dinheiro para comprar brinquedos.O Menino Jesus só tem alguma gracinha até chegarem os Reis Magos. A partir daí é uma galopada até acabar morto numa cruz passados poucos meses de ter nascido. E isto não tem graça nenhuma para uma criança. Por outro lado o Pai Natal nunca morre. Acabada a distribuição de presentes vai outra vez para a Lapónia trabalhar com o Gepeto para a Fábrica de Brinquedos, até ao Natal seguinte. O Pai Natal gosta de crianças. Ri-se para elas. Senta-as ao colo e tira fotografias com elas.
E foi assim que o Natal Cristão foi perdendo lugar para o Natal Pagão. E agora trataram de contratar experts em Marketing para dar a volta ao assunto. Consumismo combate-se com consumismos descobriram eles. Vai daí tiraram umas fotografias ao menino Jesus na sua melhor fase. Isto é com ele muito pequenino e com um pezinho no ar.Depois espetaram a foto nuns panos vermelhos (cor da roupa do Pai Natal) e lançaram a ideia iluminada de sugerir aos frequentadores consumistas da cristandade para exporem as bandeiras assim conseguidas nas janelas e varandas das suas casas. O princípio Teológico subjacente é avisar que ali reside um cristão. O princípio prático é atacar o Pai Natal onde lhe dói mais. Na sua imagem.
Como se ser cristão se anunciasse com cartazes. Como se ser cristão não fosse uma prática de vida. Entretanto os fariseus oferecem as imagens em prata de Cristo na Cruz, dos Presépio e de Maria. Como se as imagens em metais preciosos não tivessem sido destruídas por Moisés.
Em minha casa o parricídio está proibido. Não se mata o Pai Natal. E o Menino Jesus é um bebé simpático que faz parte dos ícones da casa durante todo o ano.

domingo, dezembro 13, 2009

quinta-feira, dezembro 10, 2009

RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃOHá cerca de 2000 anos atrás, surgiu na Judeia um homem que se dizia filho de Deus. Afirmava-se o continuador da obra de Moisés. Trazia o Decálogo na ponta da língua, e um poder de persuasão que arrastava consigo pessoas de todas as classes sociais da época, mas sobretudo os pobres, os doentes, os maltratados, os loucos.
Esse que se dizia filho de deus, convencia com a sua capacidade adquirida nas escolas fechadas da época todos os que aspiravam a um reino que poderia ser iniciado por ele, mas que rapidamente haveria de ser transmitido aos que melhor estivessem preparados para o gerirem.
Surge então uma questão de poder que começa a debilitar por dentro o próprio iniciador do movimento. O homem nunca tinha trabalhado, vivia das esmolas que para ele eram angariadas. Para além de falar não fazia mais nada. Mas não foi por fome que morreu. Nem por apanhar frio por dormir na rua. Nem por qualquer outra doença dizimadora da época.
Dormia em casa de uns e outros e comia onde lhe apetecia. Fazia-se convidado. Tanto fazia que fosse casamento como se fosse funeral.Com o devido respeito, este homem como que vivia num acampamento de ciganos. Os seus companheiros eram uma seita. Comiam e dormiam onde calhava. Não trabalhavam. Falavam…falavam…falavam…Não pagavam impostos. Recebiam apoios que os que neles acreditavam lhes iam fazendo chegar. Depois da morte do seu chefe, espalharam-se pelos quatro cantos do mundo dando fé daquela forma de vida. Passados muitos anos passam o tempo a pedir perdão dos erros cometidos anteriormente e continuam a viver do que os seguidores lhes vão fazendo chegar à mão.Se o Homem que lançou este sentido de uma nova forma de se ser religioso vivesse hoje, não tenho a mínima dúvida de que receberia o Rendimento Social de Inserção. O Judas haveria de tratar da papelada. E que residiria num acampamento de ciganos ou Bairro do Aleixo. Também tenho a certeza de que os políticos “popularuchos” da nossa praça o haveriam de querer por a trabalhar. E que os jornais mais lidos do país haveriam de dizer que um “trapaceiro” andava a enganar as pessoas alegando que as curava. E que a Ordem dos Médicos chamaria a isso “A Grande Vigarice”.
Facilmente a multidão o mandaria prender e libertar o Vale de Azevedo ou o Oliveira e Costa. E fico-me por aqui.

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Nª SRA DA CONCEIÇÃO
A gente vê e não acredita. A santinha este ano não teve direito a ruas engalanadas. Umas escassas plantas espalhadas no percurso não disfarçaram o incómodo e o indisfarçável mal-estar com que lá foi deambulando pelas ruas da cidade velha.
Tendo aqui sido nado e criado não posso deixar de manifestar a minha surpresa por ver que as digestões mal feitas e a azia, também atingiu a coitadinha da santa.
Entretanto foi vê-los armados em santos com ar pungente desfilando. Fico a pensar que as Bem-Aventuranças são um sinal dos Céus ao olhar para o Daniel e pensar que ele é o mais puro de entre todos nós.
Façam o que tiverem a fazer mas resolvam este imbróglio que já começa a cheirar mal e que agora se estende até onde nunca foi imaginável.

terça-feira, dezembro 08, 2009

CONSELHOS:
- Nunca bata num homem com óculos. Use as mãos, é mais eficiente.
- Beba moderadamente, mesmo que em grandes quantidades.
- Não funcionou da primeira vez? Desista de saltar de pára-quedas.
- Não se ache horrível pela manha. Acorde ao meio-dia.
- Nunca se deve bater num homem caído, a não ser que se tenha certeza que ele já não se levantará.
- Evite uma vida sedentária. Beba água.
- Evite acidentes. Faça de propósito.
- Não roube, a DGCI detesta concorrência.
- Se não pode vencer o inimigo, corra.

domingo, dezembro 06, 2009

aventuras e desventuras de um entregador ao domicílio...

sábado, dezembro 05, 2009

mais olhos que barriga
O leão anunciava pelo altifalante:
- "Animais da Selva...Estão todos convidados para a festa real a realizar na próxima semana...
"O sapo interrompe-o:
- "E gajas?Há gajas?
- "Xiuuuu -Grita o leão e continua:
- "É tudo á borlaaaa..."
Torna o sapo
- " E gajas?Há gajas?"
O leão já farto diz:
- "Olhem, aquela coisa verde com os olhos esbugalhados não vai, está proibido!"
Vira-se o sapo:
- "Que se lixe o crocodilo, eu quero é gajas!!!!!!!!!!

sexta-feira, dezembro 04, 2009

SÓCRATES MUDA DE CUECAS
Tenho vergonha do estado a que chegou o meu país. O País de Pessoa e de Camões. O País de Navegadores e de aventureiros intrépidos que conquistaram com as suas capacidades inscrever o nome na nossa história. O País de Siza e de Paula Rego. O País de Dâmaso e de Maria João Pires.
Um País em que a notícia é a coscuvilhice desbragada, mesmo que existam conteúdos menos claros na sua génese.
Um País em que os Juízes formam sindicatos quais estivadores em perigo de serem maltratados pelos patrões, como se não lhes bastassem os privilégios que desfrutam acima de qualquer cidadão comum.
Um País em que por isso mesmo a Justiça deixou de ser credível e em que os seus principais representantes se comportam como “gajinhos” a quem roubaram a bola de trapos.
Notícia de topo de jornais e Televisões é que o primeiro-ministro mudou de telemóvel, como se isso fosse um crime de lesa-pátria. O primeiro-ministro não é um criminoso que esteja sob escuta. A credibilidade de um regime mede-se pela dignidade com que são tratados as figuras mais representativas.
O primeiro-ministro tem o direito de mudar de telemóvel, de cuecas e de preservativo depois de usado. Eu estou-me “borrifando” para aquilo que o primeiro-ministro decide deixar de usar e passar a usar de novo. Eu quero é que ele governe bem. E aqui para nós que ninguém nos ouve eu também não gosto de quem não gosta de mim. Seja ou não da minha família.
Que jornais e jornalistas de merda anda a gente a pagar…

quarta-feira, dezembro 02, 2009

“O SOL SÃO AS CORES MAIS BONITAS QUE HÁ”
Em 8 de Dezembro de 1975 embarquei num voo TAP para a República da Guiné-Bissau como professor cooperante. Durante 2 anos ali me mantive trabalhando na Escola Secundária de Brá (antigo quartel dos comandos) e posteriormente no Liceu Nacional Kwame N’ Krumah em Bissau. Estes dois anos terão de ser objecto das minhas crónicas posteriormente.
O que importa é que deixei 2 procurações em Portugal. Uma conferindo plenos poderes a meu pai para tratar o que fosse necessário e, uma outra, à minha amiga Juju para poder tratar dos meus assuntos a nível do Ministério da Educação. Assim é que em 1977 concorri a estágio profissional de Trabalhos Manuais e fui colocado em Coimbra.
Se é verdade que a cidade não me atraiu já a minha actividade numa área em que nunca tinha desempenhado qualquer actividade foi profundamente motivante.
Em três anos eu tinha passado dum período de lutas fratricidas em Portugal, para um período de dois anos numa ex-colónia à procura do seu espaço próprio, para vir a desembocar numa panóplia de situações multiculturais, com dinâmica extremamente motivadora nos exercícios de desenvolvimento pedagógico-didácticos que o estágio me proporcionava naquela escola, naquela cidade, com colegas de grupo com saberes incomparavelmente superiores aos meus e com orientadores de estágio tão exigentes e tão competentes.
Quando nos desafiaram a procurarmos um tema que fosse aglutinador de todos aqueles parâmetros de aprendizagem, eu relembrando todo o meu percurso no ensino e das etapas culturais e cívicas por onde nos últimos anos tinha deambulado, escolhi o título da minha crónica de hoje.
Claro que linguisticamente a frase encerra incorrecções. Claro que tive que defender perante os orientadores de estágio tais incorrecções. Na altura recordo que quem mais me apoiou foi uma professora/orientadora de Português que posteriormente vim a saber acabou por se doutorar e a leccionar linguística na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
Ainda hoje sinto esta frase com o mesmo sabor com que entrei pela primeira vez como professor numa sala de aula. Ou sinto-a nas matas da Guiné num fim de tarde de cavaqueira com amigos Guineenses com quem trabalhava. Ou aquela turma de Alcobaça que me fez sentir pessoa nos laços de amizade que ainda hoje perduram.
O sol são. É tudo o que se pode esperar de uma vida vivida em pleno. Escolhendo a Guiné-Bissau quando outros emigravam para as Américas. As cores mais bonitas que há. E que moram no prazer de escrever. E de ler. E de ouvir música. E de tentar compreender para além do que está exactamente escrito. Estou em paz comigo. Com as minhas opiniões e com as minhas opções. Mesmo que sejam mal compreendidas.

terça-feira, dezembro 01, 2009

1 DE DEZEMBRO - Faz anos (369) que um golpe palaciano nos condenou a sermos portugueses. Miguel de Vasconcelos: -Volta! Estás perdoado.
- Faz anos que o meu pai alinha numa manifestação convocada pela controversa Vera Lagoa, em prol de um ideário nacionalista bacoco e ultra conservador. No decorrer dessa manifestação sofre um enfarte de miocárdio que o havia de matar passado algum tempo.
- Dia Mundial da Luta contra a doença que só atinge os outros: o HIV/SIDA
- Entra em vigor (hoje - 2009) o designado Tratado de Lisboa que o 1º Ministro Sócrates com o apoio das elites do PS, nos impediu de referendar. Enquanto este cavalheiro continuar à frente dos destinos de Portugal, nunca mais votarei PS. Nem nos outros Partidos da treta a que estamos condenados.
- Concluí a instalação dos temas de Natal em minha casa. Que os simbolos nos permitam a paz de espirito que de outra forma é dificil de atingir.

domingo, novembro 29, 2009

No mundo da TV e do Cinema...
- Em qualquer investigação policial é sempre necessário visitar um clube de strip.
- Todas as camas têm lençóis especiais em forma de L de forma a taparem as mulheres até aos ombros e os homens, que se deitam ao lado delas, até à cintura.
- O sistema de ventilação de qualquer edifício é o local ideal para alguém se esconder. Ninguém se lembra de procurar lá e pode-se alcançar facilmente qualquer parte do edifício através dele.
- Um homem não mostra dor quando é ferozmente espancado mas queixa-se quando uma mulher lhe tenta limpar as feridas.
- Quando um carro sofre um acidente arde quase sempre.
- Despir-se até à cintura pode tornar um homem imune às balas.
- A tosse é normalmente o sinal de uma doença fatal.
-Todas as bombas estão equipadas com temporizadores com grandes LEDs vermelhos de modo a que se saiba exactamente quando irão explodir.
- Os pilotos de helicóptero privados estão sempre prontos a aceitar dinheiro de terroristas, mesmo que o trabalho seja matar estranhos e termine na sua própria morte quando o helicóptero explode numa bola de fogo.
- Todos os discos de computador trabalham em todos os computadores.
- Quando estão sós, todos os estrangeiros preferem falar inglês entre eles.
- Qualquer fechadura pode ser aberta em segundos com um cartão de crédito ou um arame excepto a porta de um prédio em chamas com uma criança lá dentro.
- Ao conduzir um carro é normal não olhar para a estrada mas sim para a pessoa do lado ou de trás durante toda a viagem.
-Normalmente os polícias trabalhadores e honestos são mortos três dias antes da reforma.
- Quanto mais um homem e uma mulher odeiam-se maiores a probabilidades de se apaixonarem.
- Quando se é perseguido através de uma cidade pode-se normalmente escapar através da parada do dia de S. Patrick, em qualquer altura do ano.
- A torre Eiffel pode ser vista da janela de qualquer edifício de Paris.
- O chefe da polícia é sempre negro.
- Quando se fica sem uma mão o braço cresce 15 cm.
- Ao pequeno almoço as mães fazem sempre ovos e bacon para a família mesmo que ninguém tenha tempo para comer.
- Os camponeses medievais tinham dentes perfeitos.
- Ao conduzir um automóvel numa perseguição, mesmo numa recta é necessário virar constantemente o volante com força para a direita e para a esquerda.
- Não importa que se esteja em desvantagem numérica numa luta que envolva artes marciais.
- Os inimigos esperam pacientemente para atacar um por um, dançando à volta em atitude ameaçadora até que o seu predecessor esteja KO.
- Independentemente dos estragos que uma nave espacial sofra durante um ataque, o sistema de gravidade interna nunca é afectado.
- Muitos instrumentos musicais, especialmente os de sopro e os acordeões podem ser tocados sem mover os dedos.
- É sempre possível estacionar o carro em frente do edifício que se visita.
- As armas de fogo são como as lâminas de barbear descartáveis; se se fica sem balas deita-se a arma fora. Pode-se sempre comprar outra.
- A maquilhagem pode ser usada na cama sem sujar.
- Um detective só consegue resolver um caso se tiver sido suspenso do serviço.
- Em vez de gastarem balas, os megalomaníacos preferem matar os seus inimigos através de dispositivos complicados que envolvem rastilhos, roldanas, gases tóxicos, lasers e tubarões e que permitem que os seus prisioneiros tenham pelo menos 20 minutos para fugir

quarta-feira, novembro 25, 2009



25 NOVEMBRO
Passaram 34 anos sobre o contra-contra-contra-contra golpe de estado do 25 de Abril de 1974. De facto desde o dia em que o parvo do Caetano chegou à conclusão que esta coisa que se chama Portugal é ingovernável, viveu-se em golpes de estado sucessivos. O Povo e o MFA, ou o Povo, ou o MFA, ou os militantes partidários mais aguerridos, acordavam um dia e decidiam o protesto a realizar. Ou a embaixada a assaltar. Ou a barricada a desenvolver. Se a imprensa a tempo noticiasse e as populações topassem o protesto, gerava-se um chamado “movimento de massas” que no seu limite podia conduzir à queda de um governo. Vai daí o General “Cara-de-pau” mais o Major “Alvega” dos pára-quedistas decidiram dar umas chapadas a uns quantos e fazer com que a ingovernabilidade se processasse com ordem. Os banqueiros precisavam de sossego para roubar, os trabalhadores precisam de Paz para poderem meter as suas baixas médicas, e os políticos só com calma conseguem passar para as grandes empresas quando acabam as suas comissões de serviço nos governos. E desde 25 de Novembro de 1975 somos um País decadente feliz e que se auto-destrói com conta, peso e medida.
Eu ontem fui à Lapónia, considerando que falta um mês certinho para o Dia de Natal. Não que isto signifique alguma coisa para alguns. Mas para mim significa. Fui fazer uma oferta ao Pai Natal e pedir-lhe algumas retribuições. Num momento mais descontraído em que uma Deputada Municipal de Peniche pedia ao Homem das Barbas para despejar bom senso nas freguesias de S. Pedro e da Conceição da Cidade de Peniche, eu aproveitei para registar o momento para o futuro.Não que eu tenha esperanças de alguma coisa se alterar. Quando a raiva e o ódio movimenta as pessoas, não há Pai Natal que resista.

segunda-feira, novembro 23, 2009

DESLEIXO, PASSIVIDADE E QUEJANDOS… Há cerca de dois meses que no cruzamento da R. da Saudade com a Joaquim A. Aguiar, numa tampa que se encontra a nível do solo e que não sei o que contém, apareceu um buraco que rapidamente foi alargando até se tornar um perigo para os peões.
A solução encontrada por alguém com responsabilidades por buracos que vão surgindo e proliferando nas nossas ruas, foi arranjar um barril pintado com cores garridas e colocá-lo a tapar o buraco.
Acontece que os miúdos curtem deitar barris ao chão. Ou que os carros a virarem a esquina o vão tombando. Ou que os motoristas para melhor arrumarem as suas viaturas o deslocam. Sempre que qualquer uma destas situações ocorre o barril torna-se inoperante e o buraco ressuscita do seu esconderijo fantasma.
Dei tempo ao tempo. Primeiro porque era o período de eleições autárquicas e ninguém queria saber do buraco e do barril. Depois porque a Junta ficou órfã de pai, mãe e avós e não havendo quem se preocupasse, os ditos cujos Barril e Buraco não tinham quem olhasse por eles.
Mas existem umas quantas pessoas que moram na zona e que têm dificuldade de locomoção. Mais dia, menos dia, ou o Barril ou o Buraco fazem das suas.
Se faz favor!!! Alguém pode perfilhar o Barrilito e o Buraquito? A Liga dos Amigos das Ruas em Perigo, agradece.
"Nunca como hoje tivemos tanta informação e tão pouco conhecimento"
Steiner

sexta-feira, novembro 20, 2009

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE PENICHE –
O SEU A SEU DONO
Não tenho por hábito responder aos comentários que são feitos ao que escrevo no meu Blog. Primeiro porque essa não é a característica formal deste tipo de comunicação. Depois porque a livre critica ao que escrevo, sem que se corra o risco da resposta e contra-resposta, dá um grau de Liberdade a quem me critica que de outra forma poderia ser inibido. Quando no entanto surge uma pergunta directa ao que penso feita de tal forma, que seria quase má educação não responder, aí abro a excepção que confirma a regra.
Os resultados eleitorais nas autárquicas de 2009, deram como resultado para a ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE PENICHE, os seguintes valores:
- PCP/PEV - 40,52% com 9 Deputados Municipais eleitos
- PPD/PSD - 29,8% com 7 Deputados Municipais eleitos
- PS - 22,57% com 5 Deputados Municipais eleitos
- BE - 3,05%
- BRANCOS - 2,55%
- NULOS - 1,51%
- ABSTENÇÃO – 46,55%

Não incluo aqui sequer os Deputados que por inerência de funções de Presidentes de Junta. Isto porque para o meu raciocínio não me parece relevante essa indicação, mesmo quando isso significa tornar a maioria da oposição ainda menos significativa.
Não há dúvida sobre quem maioritariamente a população escolheu para ganhar a Assembleia Municipal. Ao mesmo tempo pela distribuição de votos disse ao Partido que ganhou as Eleições:”- Vocês ganharam mas têm uma AM onde não têm a maioria e que fiscalizará os vossos actos. É assim que queremos que funcione”
Os mecanismos Democráticos da Assembleia Municipal preservam a capacidade de intervenção da Oposição, não lhe coarctando qualquer direito. E a maioria de que dispõem dá-lhes a capacidade de em cada momento que for necessário, tomarem as medidas adequadas para impedirem que o Governo do Concelho se torne uma Autocracia.
Penso que foi uma atitude inteligente do PSD e do PS, a de não hostilizar as populações que votaram, dando a Presidência à CDU já que foi essa força política que ganhou as eleições. Até porque sabem que o cargo de Presidente da AM é meramente honorífico. É um penacho sem qualquer valor acrescentado. Importante é a maioria de que dispõem.
Preside quem ganha, fiscaliza que tem a maioria. Esta é a minha forma de ver as coisas. Para que conste.
PS: - Daí eu não perceber esta charlatanice que se passa com as Juntas de Freguesia de Conceição e de S. Pedro. Só se for para agradar a ruins defuntos. Mas esses já morreram. Desapareceram em pó.

quarta-feira, novembro 18, 2009

SABE QUEM SÃO?
1. DEPUTADOS DO PSD DE LEIRIA NA XI LEGISLATURA
PAULO BATISTA SANTOS
TERESA MORAISNome:
Paulo Jorge Frazão Batista dos Santos
Data de Nascimento:
1968-12-03
Habilitações Literárias:
Licenciatura em Contabilidade e Administração
Profissão:
Gestor de Empresa
Cargos exercidos:
-Secretário e Governador Civil do Distrito de Leiria;
-Consultor do I.E.F.P. - Centro;
-Administrador da Empresa Municipal ISERBATALHA, E.M.;
-Director Financeiro/Contabilidade de várias Empresas Privadas;
-Conselheiro Nacional do PSD;
-Várias funções Nacionais e Distritais na JSD;
-Tesoureiro da Comissão Política Distrital de Leiria do PSD
Cargos que desempenha:
-Deputado na XI Legislatura;
-Membro da Assembleia Municipal da Batalha;
-Consultor de Empresa;
-Secretário da Assembleia Geral da Sociedade LeiriaPolis S.A.
-Presidente da Comissão Política da Secção do PSD/Batalha.
Comissões parlamentares a que pertence
5ª-ORÇAMENTO E FINANÇAS
Data de Nascimento:
1958-06-01
Habilitações Literárias:
Economia
Profissão:
Economista
Comissões parlamentares a que pertence
4ª - ASSUNTOS EUROPEUS
6ª - ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E ENERGIA
12ª - PODER LOCAL, AMBIENTE E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO
Nome:
Maria da Conceição Feliciano Antunes Brettes Jardim Pereira
Data de Nascimento:
1950-12-08
Habilitações Literárias:
-Bacharelato em Assistente de Administração
Profissão:
Assistente de Administração
Comissões parlamentares a que pertence
11ª - TRABALHO, SEGURANÇA SOCIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
13ª - ÉTICA, SOCIEDADE E CULTURA
Nome:
Maria Teresa da Silva Morais
Data de Nascimento:
1959-07-21
Habilitações Literárias:
-Direito
Profissão:
Jurista/ Docente Universitária
1ª- ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

2. DEPUTADO DO BE DE LEIRIA NA XI LEGISLATURA HEITOR DE SOUSA
Economista.
Membro da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda.
Comissões parlamentares a que pertence
Deputado do Bloco na Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

terça-feira, novembro 17, 2009

SABE QUEM SÃO?
Os nossos representantes na actual Legislatura (XI) da Assembleia da República? Hoje dou-vos os nomes, fotos e curriculos retirados das páginas dos partidos que recolhi na Internet. Hoje as caras dos Deputados do PS. Num post posterior os do PSD e do BE.
Deputados do PS à XI Legislatura
JOSÉ MIGUEL MEDEIROS
ODETE JOÃO
JOÃO PAULO PEDROSA
JORGE GONÇALVES
Deputados eleitos e/ou que exerceram mandato
LUIS AMADO
ODETE ALVES
Nome Completo
José Miguel Abreu de Figueiredo Medeiros
Data de Nascimento
31-12-1960
Habilitações Literárias
Licenciatura em Geografia
Profissão
Professor
Cargos que desempenha
Vereador da Câmara Municipal de Ansião (sem pelouros) desde 1997;
Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga de Amigos na Fundação N.ª Sr.ª da Guia (IPSS)
Deputado na X Legislatura;
Presidente da Direcção do Atlético Clube Amarante;
Cargos exercidos
Professor do 11.º Grupo A - Geografia (1989/1990);
Deputado na IX Legislatura
Professor do Ensino Secundário desde 1983/84;
Membro das Comissões de Ambiente, Poder Local e Ordenamento do
Território, da Juventude e Desporto, da Comissão Eventual de Acompanhamento
Do Euro de 2004
Membro da Assembleia Municipal (1993/1997)
Vogal da Comissão Instaladora da Escola C+S de Figueiró dos Vinhos
Coordenador dos Serviços de Acção Social Escolar e Vice-Presidente Administrativo (1983/1987) Delegado à Profissionalização do 11.º Grupo A no âmbito do processo de formação em serviço, em ligação às Escolas Superiores de Educação de Leiria e Castelo Branco (1989/90)
Requisitado desde 1990 até 12/1995 na Escola Profissional Profitecla - Pólo de Coimbra
Director do Gabinete Regional de Apoio ao Desenvolvimento Lda. (1987-95), coordenando as áreas de Planeamento regional e Local e da Formação em serviço, em ligação às Escolas Superiores de Educação de Leiria e Castelo Branco (1989/90)
Assessor com funções de Coordenador Geral, do Gabinete de Apoio ao desenvolvimento Local (GADEL) da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos (Maio 1992 - Dezembro 1995), Responsável por diversas candidaturas aos Programas Operacionais do Centro, ao PROSIURB, PROGIP, LIFE e LEADER
Membro fundador e Presidente da Comissão Instaladora de "Pinhais do Zézere - Associação para o Desenvolvimento"" abrangendo os Concelhos de C.ª de Pêra, Fig.º dos Vinhos e Pedrogão GrandeMembro do Conselho de Gestão do Programa LEADER/ELOZ que abrange os concelhos de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Pedrogão Grande, Lousã,Miranda do Corvo e Poiares (Julho 1995 - Julho 1996)
Adjunto do Governador Civil de Leiria (01/1996 a 10/1999)
Presidente da Federação Distrital de Leiria do PS desde Maio 1998
Membro de Diversos Orgãos do PS ao Nível Concelhio e Distrital
Dirigente de Diversas Instituições Sociais, Culturais e Desportivas.
Vereador da Câmara Municipal de Ansião (1997-2002)
Obras Publicadas:
Diversos trabalhos científicos nos domínios da Educação da Formação Profissional e do Desenvolvimento Regional e LocalTítulos académicos e científicosDiversos Trabalhos de Investigação no âmbito da Geografia, ao planeamento regional e local e do ensino de Geografia, publicados em títulos da especialidade.
Comissões Parlamentares a que pertence
Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas
Comissão de Defesa Nacional
Comissão de Agricultura e Pescas
Nome Completo
Maria Odete da Conceição João
Data de Nascimento0
3-01-1958
Habilitações LiteráriasLicenciatura em Matemática
Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação em Educação
Profissão
Professora de Ensino Secundário
Cargos que desempenha
Deputada na X Legislatura;
Cargos exercidos
Professora do Ensino Superior
Coordenadora do Projecto Minerva - Leiria
Coordenadora do Centro de Area Educativa de leiria
Professora do Ensino Secundário
Membro Conselho Científico do ISLA
Comissões Parlamentares a que pertence
Comissão de Orçamento e Finanças
Comissão de Assuntos Económicos, Inovação e Energia
Comissão de Educação e Ciência

Nome Completo
João Paulo Feteira Pedrosa
Data de Nascimento
29-09-1965
Habilitações Literárias
Licenciatura em Sociologia
Profissão
Sociólogo
Comissões Parlamentares a que pertence
Comissão de Assuntos Europeus
Comissão de Agricultura e Pescas
Comissão de Trabalho, Segurança Social e Administração Pública
Nome Completo
Jorge Manuel Rosendo Gonçalves
Data de Nascimento
01-01-1956
Habilitações Literárias
Frequência de Licenciatura em Ciências Sociais
Profissão
BANCÁRIO APOSENTADO
Comissões Parlamentares a que pertence
Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações
Comissão de Saúde
Comissão do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local

segunda-feira, novembro 16, 2009

EPISÓDIO MILIONÉSIMO TRICENTÉSIMO QUADRAGÉSIMO TERCEIRO DA NOVELA:
- OS GLADIADORES CONTRA A DUPLA

S. PEDRO/CONCEIÇÃO
No passado fim-de-semana passou mais um capítulo desta novela. A que afinal os espectadores acabaram por não ter o privilégio de assistir. Ou por avaria dos transportes, ou por falta de gasolina, ou porque ficaram em casa a lavar a loiça, os Gladiadores acabaram por não aparecer, deixando também S. Pedro às escuras.
Assim se vai cumprindo a democracia nesta terra. Quando as coisas não agradam, criamos todas as condições possíveis para evitar o fim inevitável.

sábado, novembro 14, 2009

HISTÓRIAS DE FIM DE SEMANA
João tinha uma carreira de sucesso, mas era acometido de uma dor de cabeça crónica que aumentava a cada ano.Quando sua saúde mental e sua vida amorosa começaram a ficar ameaçadas, ele procurou auxilio médico.
Depois de deambular de um especialista para outro, ele finalmente descobriu um médico que resolveu o problema:
- A boa noticia é que eu posso curar sua dor de cabeça. A má notícia é que isso requer sua castração. Você tem uma condição muito rara que causa o esmagamento de seus testículos contra a base da espinha. A pressão causa uma dor de cabeça insuportável. A única maneira diminuir a pressão é removendo os testículos!
João ficou chocado e deprimido. Ele questionou se havia algum motivo para continuar vivendo. Mas mesmo não tendo encontrado a resposta, algum tempo depois, ele decidiu entrar na faca, pois a dor de cabeça era realmente insuportável.
Quando ele deixou o hospital, sua cabeça estava límpida, mas ele sentia que algo importante dele havia desaparecido. Andando pela rua, ele percebeu que era outra pessoa. Ele podia recomeçar a viver uma nova vida, mas a sua masculinidade estava abalada e alguma coisa precisava fazer para sentir-se um pouco melhor. Ao passar por uma loja de roupa masculina ele pensou:
- É disto que eu preciso: um terno novo. Entrou na loja e disse ao vendedor:
- Gostaria de ver um terno. O vendedor, um velhinho que devia ter no mínimo uns 50 anos de experiência olhou para ele e disse:
- Vejamos... tamanho 52 longo.
João riu:
- Você esta certo! Como você conseguiu?
- É minha profissão. -Disse o vendedor.
João experimentou o terno. Caiu feito uma luva. Enquanto o João se olhava no espelho, o vendedor perguntou:
- E que tal uma camisa nova?
João pensou um segundo e disse:
- Tá certo...
O vendedor olhou prá ele e disse:
- Vejamos... 42 largo.
João ficou surpreso:
- Você está certo! Como você conseguiu?
- É minha profissão. - Disse o vendedor.
João experimentou a camisa e ficou perfeita. Enquanto João ajustava o colarinho pelo espelho, o vendedor disse:
- E que tal um par de sapatos novos?
João não hesitou:
- Vamos lá!
O vendedor olhou para os pés do João e disse:
- 42.
- Você está certo! Como você conseguiu?
- É minha profissão. - Disse o vendedor.
João experimentou os sapatos e eles encaixaram como chinelos.Ele andou um pouco dentro da loja para confirmar o conforto. E o vendedor aproveitou para vender-lhe um chapéu, uma malha e uma camiseta, sempre acertando o tamanho só de olhar. Por fim o vendedor ofereceu-lhe uma cueca nova! João aceitou e o vendedor disse:
- 42.
João deu uma risada:
- Agora você errou! Eu sempre usei 40!!!
O vendedor balançou a cabeça e disse:
- O senhor não pode usar 40. Vai ficar muito apertado! Vai pressionar seus testículos contra a espinha e isso vai lhe dar uma dor de cabeça insuportável...

sexta-feira, novembro 13, 2009

DEMOCRACIA
O termo Democracia tem origem no grego (demo=povo e kracia=governo).
Em 508 a. C. foi inventado na cidade de Atenas um novo sistema político - a democracia - que representava uma alternativa à tirania. O cidadão ateniense Clístenes propôs algumas reformas que concediam a cada cidadão um voto apenas, nas assembleias regulares relativas a assuntos públicos.Surgiu também um conselho de 500 membros - a Bulé - mudado anualmente, que era constituído por cidadãos com idades acima dos 30 anos que não podiam servir mais do que duas vezes numa vida. A Bulé era o pilar do novo regime. Esta alternativa à tirania incluía camponeses, mas excluía as mulheres como iguais. No entanto, como experiência política seria a mais imitada e copiada de todas.
Actualmente a democracia é exercida, na maioria dos países, de forma mais participativa. É uma forma de governo do povo e para o povo.
Existem várias formas de democracia na actualidade, porém as mais comuns são: directa e indirecta.
Na democracia directa, o povo, através de um plebiscito, referendo ou outras formas de consultas populares, pode decidir directamente sobre assuntos políticos ou administrativos de sua cidade, estado ou país. Não existem intermediários (deputados, senadores, vereadores). Esta forma não é muito comum na actualidade.
Na democracia indirecta, o povo também participa, porém através do voto, elegendo seus representantes (deputados, senadores, vereadores) que tomam decisões em novo daqueles que os elegeram. Esta forma também é conhecida como democracia representativa.

Democracia=Governo do povo, pelo povo e para o povo.

A democracia é um sistema imperfeito e que muitas vezes conduz a situações pouco convenientes. Mas sendo um sistema imperfeito, continua a ser o melhor sistema que se conhece.
É utilizada muitas vezes pelos seus piores inimigos para a seguir a porem em causa. Limitando-a ou mesmo expurgando-a. Veja-se o que aconteceu na Alemanha em que Hitler chegou democraticamente ao poder para a seguir a restringir de todo. Ou o que se passa actualmente na Venezuela. Sem por em causa a legitimidade do Sr. Chavez, o uso que ele faz da Democracia em seu proveito e da oligarquia que pretende perpetuá-lo no poder, dizia o uso que o sr. Chavez faz da Democracia é no sentido de a pôr em causa.
Muitos falam em nome da Democracia. Seria bom que fizessem um acto de contrição sobre o uso que ao longo dos seus anos de vida lhe deram. Eu fico-me pela análise. E corro o risco de alguns não terem exercitado melhor a sua capacidade de análise em relação à Língua Portuguesa. Deviam ter estudado mais e melhor quando tiveram aulas de Português na Escola.
Se todos usarmos a Democracia em nome dos que representamos, evitamos fazer figuras ridículas. Afinal a Democracia não é um penacho para pormos no chapéu ou uma arma para utilizarmos em proveito próprio.

quarta-feira, novembro 11, 2009

PORQUE AS COISAS TÊM NOMES PRÓPRIOS E APELIDOS
Tem-se falado muito dos acontecimentos à volta das Assembleias de Freguesia de S. Pedro e Conceição e do impasse que se tem gerado com a inviabilização das listas da CDU (que ganharam as eleições), por acção conjunta dos partidos que as perderam, PS e PSD (que estão em conjunto em maioria na Assembleia de Freguesia).
Ainda ontem a 3ª reunião convocada para eleger o executivo não se realizou por os elementos do PS e do PSD não terem comparecido apesar de terem sido convocados. Parece que agora iniciaram um novo processo de oposição com o objectivo de atrasar o que já parece ser irremediável, a convocação de novas eleições para aquelas freguesias.
Porque se fala muito de CDU, PS e PSD, mas não se fala das pessoas que representam estes partidos neste impasse, damos hoje luz às pessoas que estão envolvidas neste imbróglio. Até porque se as eleições se repetirem é importante conhecer as pessoas em quem votamos.

JUNTA DE FREGUESIA DA CONCEIÇÃO
Presidente eleito – Raul Santos (CDU)
Partidos Representados:

CDU - Raul Santos
- Ana Leonor
- Ricardo Martins
- Orlando Sousa

PS - Sebastião Batalha
- Luís Costa
- Dina Mamede Duarte

PSD - António Sales
- Agnelo Rodrigues

JUNTA DE FREGUESIA DE S. PEDRO
Presidente eleito – Floriano Sabino (CDU)
Partidos Representados

CDU - Floriano Sabino
- Cesaltino Martins
- Joana da Mata
- Francisco Jorge

PSD - Carlos Tiago
- Jorge Saldanha da Silva
- Joana Marçalo Ferreira

PS - Amélia Colaço Rocha
- Maria Isilda Santos

terça-feira, novembro 10, 2009

ICH BIN EIN BERLINER (Eu sou um Berlinense)Quando em 1963 John F. Kennedy proferiu estas palavras em Berlim Ocidental frente ao Muro de Berlim, estava a iniciar um processo que só veio a culminar em 1989 com a o derrube daquele símbolo que transformava em párias todos os cidadãos europeus amantes da Liberdade.
Eu que pertenço a uma geração que surgiu no início do fim do ideário nazi, que viu cair o muro de Berlim e o sentido mais perverso do ideal comunista construído sobre escombros e a falta de dignidade. Eu que vi a Guerra do Vietnam e a derrota do expansionismo capitalista dos EUA. Eu que vi cair não 1, mas 2 Salazares no meu País, dando aos Povos Africanos o direito de viverem as suas próprias vidas.Eu que vi o Homem pousar na Lua, as mulheres terem acesso em pé de igualdade a todos os escalões da vida Moderna. Eu que vi pessoas segregadas das Universidades por serem negras e agora vejo na Presidência dos Estados Unidos um preto. Eu que vi tudo isto e tudo o que já deixei de recordar pelo desgaste de uma memória que já não é o que era. Eu ontem a ver na CNN a transmissão da queda do Muro de Berlim, assistindo em directo ao discurso de um Presidente da Rússia congratulando-se com o facto, ontem dizia eu, comovi-me até às lágrimas e senti-me feliz por me ter sido dada a oportunidade de viver a História como vivi. Pode haver quem sonhasse viver o tempo da Idade Média com o romantismo da capa e espada. Ou o tempo das grandes civilizações Egípcia, Grega ou Romana. Ou a época das luzes em paris. Ou a idade dos índios e cowboys na América. Eu sinto-me grato por viver este tempo. Tempo de Pessoa, de Madame Curie, ou do Sr. Bill Gates.
E sei que o meu tempo, é um tempo de mudança que ficará para sempre ligada aos grandes conflitos filosóficos e políticos da humanidade.
Ao sentir-me Berlinense, senti-me cidadão do Mundo e natural desta terrinha que me dá tanta alegria por ser como é e tanta mágoa por ainda não se ter descoberto a si própria. Eu sou um penicheiro.

domingo, novembro 08, 2009

FRASES E AUTORES
Incomodam-me as pessoas que não dão a cara. (Anónimo)
Vamos por partes. (Jack "O Estripador")
A minha esposa tem um bom físico. (Albert Einstein)
Eu comecei por roer as unhas. (Venus de Milo)
Nunca pude estudar Direito. (O Corcunda de Notre Dame)
Ser cego não é grave, pior seria ser negro. (Stevie Wonder)
Sempre quis ser o primeiro. (João Paulo II)
Quando te foste deixaste-me um sabor amargo na boca. (Monica Lewinski)
Hás-de pagar-me. (Fundo Monetario Internacional)
Batemos a concorrência. (Moulinex)
Não ao derramamento de sangue!!! (Tampax)
O automóvel nunca substituirá o cavalo. (A égua)
Disseram-me para jogar junto a linha branca. (Diego A. Maradona)
Tenho um nó na garganta. (Um enforcado)
Estou feito em pedaços. (Frankenstein)
Gosto da humanidade. (Um canibal)
Basta de humor negro! (Ku Klux Klan)
A minha noiva é uma cadela! (Pluto)
És a única mulher da minha vida! (Adão)
Levantarei os caidos e oprimirei os grandes! (O soutien)

sexta-feira, novembro 06, 2009

S. MARCOS
Como habitualmente quando vou a Lisboa, levo o carro até Torres Vedras e aí apanho o autocarro directo até ao Campo Grande. Sempre que chego a Torres (na ida ou na volta) vou tomar uma “bica” ao Café S. Marcos que se situa muito perto da estação rodoviária. É uma forma revivalista de recordar colegas e amigos que encontrei em Torres e na CAE que ali ficava muito pertinho.
Na passada 2ª Feira lá cumpri esse ritual mais uma vez. Entrei com a minha mulher e quando me dirigi à mesa onde me agradava sentar, reparei que se encontrava um pouco molhada. Pedi a uma senhora um pano para a limpar e ela com modos desabridos disse-me com modos desabridos que eu tinha muitas mesas que estavam limpas que me sentasse numa outra qualquer. Fiquei mal disposto mas lá fiz o que me foi dito.
Em seguida fui ao balcão e perguntei se tinham pastéis de feijão, com que eu queria presentear a minha sogra. Responderam-me que não. Fiquei desiludido.
Entretanto vi lá uns outros pastéis com um aspecto semelhante aos que eu queria, e perguntei de que eram feitos. Foi-me dito que eram de amêndoa e semelhantes aos pastéis de feijão. Fiquei perplexo.
Mas, para não me passar mais da cabeça pedi 8 bolinhos daqueles. Qual não foi o meu espanto quando vi a funcionária atirar os bolos para um cartucho de papel dos que serviam para o pão, fechar a boca do saco com duas “torcidelas” e com um gesto tentar entregar-me aquilo. Perguntei se me achava tão pouco digno de receber os bolos numa caixa de papel adequada. A empregada fez uma cara de espanto e lá foi mudar a embalagem bem aborrecida com a minha exigência.
Sei que a crise económica está muito difícil. Sei que as pessoas andam aborrecidas porque a vida está muito complicada. Mas se também não fazemos nada para melhorar as coisas provavelmente vai tudo de mal a pior.
A pastelaria S. Marcos vai morrer para mim. Não sei se os actuais proprietários são os mesmos do meu tempo. Se são deveriam descansar. Se são outros deveriam escolher outra actividade. Atendimento ao público não é de certo o que poderão fazer de melhor.
Até sempre café S. Marcos de tantas recordações. Vou telefonar ao meu amigo Moedas Duarte para não marcar encontro para o café naquele centro de má disposição.

quinta-feira, novembro 05, 2009

A CRUZ N(D)AS ESCOLAFarisaicamente erguem-se vozes contra a norma da CE que restringe o uso de símbolos religiosos nas Escolas Públicas. Tenho para mim que alguns preferem ver Cristo na Cruz. Se ele saísse de lá e recomeçasse a sua peregrinação no Planeta Terra, muitos dos que se dizem seus fiéis já estavam outra vez a tentar crucificá-lo.
Os tempos em que vivíamos isolados do resto do mundo acabaram. Hoje mandamos gentes para a diáspora e recebemos povos de todos os lados, credos, convicções políticas, cor e culturas, das suas diásporas. O estarmos socialmente acompanhados por todos obriga-nos a respeitarmos todos. Para isso teremos que compreender que o que pode ser aceitável para um cristão, pode não o ser para um islamita ou para um agnóstico ou até um ateu.
Cristo desenvolveu a sua seita de seguidores, com o exemplo da sua vida posta ao serviço dos outros. Não é crucificando o seu exemplo que se conquistam adeptos para a sua causa.
Sejam cristãos nas atitudes e na forma de estar na vida. Vão ver que terão melhores resultados. Deixam a Cruz sair da sala de aula de forma pacífica e regozijem-se na alegria de serem homens e mulheres prontos a estarem em paz com todos os povos do mundo. Tenham cuidado que, se Cristo realmente existe, está a avaliar todos: Alunos e Professores. E não sei se a avaliação que está a ser feita favorecerá os que se julgam acima de qualquer critica.

quarta-feira, novembro 04, 2009

NA CAPITAL DA ONDA, CIRCULA UM MAR DE ENGANOS
O que se continua a passar com as Juntas de Freguesia de S. Pedro e Conceição é uma vergonha para todos os Penicheiros. Não ouço agora a voz dos “poetas da corte” “estrofando” os seus poemas de escárnio e de maldizer pelos que não sabem sair com honra. Pelos que não sabem fazer de uma derrota eleitoral um acto de dignidade. Mas como hão-de saber viver em Democracia os que nunca a sentiram dentro de si.
Ainda tive a esperança de que o PS e o PPD/PSD soubessem por as caixas de neurónios dos seus candidatos a funcionarem.
Mas a raiva e o desespero venceram onde só a razão deveria imperar. Não vejo esses Partidos a romperem a sua solidariedade com pessoas que põem em causa princípios elementares nas eleições. Parece que está tudo cheio de ódio.
Sinto-me feliz de em tempo oportuno me ter afastado da política partidária.

terça-feira, novembro 03, 2009

HOSPITAL PULIDO VALENTE - SERVIÇO EXTERNO
Ontem foi dia das revisões ao físico. De manhã para verificar da minha situação em relação à extracção de um cancro no pulmão. À tarde verificar o estado em que se encontra o meu coração após este massacre todo eleitoral.
Cheguei ao HPV às 07:50 horas. Marquei um Raio X torácico. Fiz o RX. Agora após isso é através do PC que são registadas as imagens. A seguir fui para a sala das consultas externas. Às 09:30 horas, já tinha sido atendido, marcada nova consulta para daqui a 6 meses e já vinha a sair do Hospital.
Quando numa unidade com aquela dimensão, os utentes têm uma qualidade de atendimento como este, que me surpreende sempre e não me canso de elogiar, continuo a interrogar-me porque é que o Centro de Saúde de Peniche (não confundir com o Hospital de Peniche) funciona com a ineficiência conhecida de todos.

domingo, novembro 01, 2009

UM MAR DE ENGANOS...
Havia um casal que estava casado há 20 anos e sempre que faziam sexo o marido insistia em desligar a luz. Após 20anos, a mulher achava que aquilo era estúpido. Decidiu que iria tirar ao marido esse hábito desnecessário. Certa noite enquanto o faziam, ela acendeu as luzes. Olhou e viu o marido com um vibrador na mão. Ela ficou louca:
- Seu cabrão impotente grita - Como pudeste mentir-me durante estes anos todos!? É melhor explicares-te bem !
O marido olhou-a bem nos olhos e, calmamente, disse:
- Eu explico o vibrador se tu explicares os nossos três filhos...

sexta-feira, outubro 30, 2009

A “DOR DE COTOVELO” A QUE ALGUNS CHAMAM TAMBÉM “DOR DE CORNO”
Quando eu era pequenino, contava-me a minha mãe, passei com 5 dias no velho hospital de Peniche no Largo 5 de Outubro, com uma daquelas dores de ouvidos, que exigiam um tratamento continuado, para impedir que males maiores me acontecessem. Dizia-me a minha mãe que era impressionante ver o meu comportamento face às dores que me assolavam.
Tudo passou. O tempo cura quase todas as feridas e quase todas as dores.
Com a juventude já estavam aquelas esquecidas, surgiram-me as dores de dentes. Um autêntico calvário. A resolução deste drama demorou uns anos e uns milhares de escudos.Passado muitos anos já eu estava esquecido de tudo isto, sou acometido de cólicas renais apavorantes. Morava eu na Rua de Nª Srª da Boa Viagem. Os meus gritos ouviam-se no portão de Peniche de Cima. Passei umas noites no ainda velhinho Hospital. Outras noites passava-as numa banheira com o chuveiro apontado para a zona em que sentia as dores. Ao mesmo tempo que me davam analgésicos injectáveis. Foi mais um tempo de dores horrorosas e abomináveis.
Estava tudo isto esquecido surge-me um cancro no pulmão e a extracção deste. As sequelas deste acto operatório foram difíceis de imaginar a quem não passa por elas. Dores hediondas. Lancinantes. Que só passaram com analgésicos poderosos. Um tempo de autêntico martírio.
Mas hoje está de novo tudo esquecido. Nenhuma dor me resta, nem nenhum trauma me ficou desses momentos apavorantes. Excepto quando muda o tempo. Ou quando há nevoeiro.Nenhuma das minhas dores me deixou marcas com que não possa viver .Que é o que acontece no entanto com alguns que andam por aí desorientados com uma insuportável “dor de cotovelo/corno”. Não passa. Não há analgésicos que a curem. Provoca agonias, inconformidade, azia. Cria um mal-estar permanente. Embota o espírito e faz dizer o que não se quer e escrever o que vai dar origem a arrependimentos definitivos.
A “dor de cotovelo/corno” ataca preferencialmente os que não estão preparados para lidar com o êxito dos outros. Corrói os que desejam o poder a todo o custo. Bestializa os que não suportam ver que há os que triunfam onde eles não passam de meros sujeitinhos. É uma dor característica dos que não sabem perder e tentam ganhar na secretaria o que perdem no terreno. Alguns reformam-se por causa dessas dores. A outros dá-lhes “coisinhas más”. Estas dores dão quando se inicia o princípio do fim.
Não tem cura. Quando se apanha, fica para toda a vida.

quinta-feira, outubro 29, 2009

29 de Outubro de 2009, Internet faz 40 anos
Da revista (Web) Tecnologia/Terra retirei na íntegra este artigo que nos dá uma imagem clara sobre o que têm sido as comunicações Web.

"No decorrer desta semana, jornais e sites do mundo inteiro recordaram o aniversário de 40 anos da rede mundial de computadores, comemorado no dia 2 de setembro em referência aos cientistas da Universidade da Califórnia que, em 1969, trocaram informações entre dois computadores por meio de um cabo de cinco metros.
» Internet completa 40 anos em meio a novos desafios
» Criador da web diz que rede está na sua infância
Os dados trocados entre os dois computadores eram pequenos e insignificantes, uma mera mensagem de texto, mas prepararam o terreno para a rede interuniversidades Arpanet, que cresceria e tornaria possível o surgimento da hoje indispensável internet.
O jornal britânico Telegraph, no entanto, publicou uma reportagem na qual discutia qual data realmente estava sendo comemorada. Com tantos avanços vitais ao longo do caminho, existem muitos candidatos para o título de "inventor da internet", diz o jornal. "Existe disputa e incerteza sobre a data de 2 de setembro como a mais apropriada para o aniversário", afirma a publicação.
Entre as "outras" datas de aniversário da internet citadas pelo jornal está, por exemplo, o dia 29 de outubro de 1969, quando uma mensagem foi enviada pela primeira vez entre dois computadores da Arpanet, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, para o Instituto de Pesquisas de Standford, em Palo Alto, também na Califórnia. Este fato marcou o verdadeiro lançamento do sistema de troca de dados da rede.
Mas, o 1º de janeiro de 1983 é relembrado como o dia em que todos os computadores da rede Arpanet adotaram o protocolo TCP/IP, o padrão de comunicação online utilizado até hoje.
Em março de 1989, Tim Berners-Lee inventou a World Wide
Web, um sistema eficiente para publicação e acesso de informações. Berners-Lee, um cientista britânico atuante na Suíça, ajudou a criar a linguagem de hipertexto usada até hoje em websites, links e navegadores, e é conhecido como o "pai da internet".
Finalmente, em abril de 1993, foi lançado o Mosaic, considerado o primeiro navegador de internet a facilitar a usabilidade, ajudando a popularizar a internet. Como precursor do Netscape Navigator, Internet Explorer e tantos outros navegadores existentes hoje, o Mosaic também foi um passo crucial para tirar a internet do laboratório e levá-la para dentro das nossas casas."

quarta-feira, outubro 28, 2009

UM ÊXITO
O que está a acontecer em Peniche com o circuito mundial de Surf ultrapassa tudo o que a imaginação poderia alcançar.
Quem se recorda no final da década de 50, início da década de 60 as carrinhas de jovens australianos, holandeses e alemães que se juntavam entre Outubro e Abril no Molhe Leste, para praticar uma actividade de doidos com pranchas de madeira, jamais poderia imaginar o que meio século depois iria poder ver em Peniche.
foto "roubada" do site da RIP CURL
Na altura surfista era entre as pessoas “bem pensantes” de Peniche, sinónimo de drogado, miserável, pé-descalço e outros epítetos tão “carinhosos” como estes.
50 anos depois realiza-se aqui uma prova do circuito mundial de surf que eu estimo com custos superiores a um milhão de euros em tudo aquilo que envolve. Atrevo-me a dizer que comparável em projecção internacional do nosso País só o Europeu de Futebol.
Aguardo que as forças políticas da oposição ao executivo camarário tomem a iniciativa de o felicitarem pelo êxito atingido. Gostaria particularmente que esse voto de louvor fosse elaborado por determinado vereador da oposição. E que o fizesse com Alegria e humildade. E que de futuro quando coloca o seu saber ao serviço de outros concelhos, deixasse uma reserva para ser útil no que fosse necessário ao concelho que o viu nascer.

segunda-feira, outubro 26, 2009

CAIM, SARAMAGO E ABEL
Caim matou Abel. Nesta história bíblica que tem despertado dúvidas e estupefacções ao longo dos tempos Caim o assassino é relevante, Abel o morto-matado, passa ao lado. E agora neste cantinho de poetas de “rimas de pé quebrado” surge mal-disposto e cheio de azia com o que Saramago escreve e sobretudo com o que ele diz.
Tudo bem. Dou de barato que ele se excedeu. Que disse coisas de todo desnecessárias. Que o seu ateísmo confesso não precisa de constantes repetições e ignomínias dirigidas a um deus em que não acredita. Se deus não existe é irrelevante tentar ofende-lo ou apelidá-lo do que quer que seja. Escreva o seu Caim e ponto final parágrafo.
De resto a ser verdade que Deus existe, Saramago não o incomoda. Depois de tudo o que o Nobel disse e fez ao longo da sua vida, não vai acrescentar qualquer pena ao castigo Eterno que já o aguarda.
Estou convicto que O incomoda mais aquele Padre que é apanhado a traficar armas. Ou aquele outro que faz o sinal da Cruz naquela mulher que vai ser queimada na fogueira acusada de feitiçaria. Ou aquele Bispo que abençoa as tropas que vão para África combater pessoas cujo único crime é terem nascido noutra parte do planeta, com outra cor e outras crenças. É mais grave para Ele aquele homem que dizem ser Diácono e que serve aos fiéis a Hóstia Consagrada e é um usurário conhecido pelos seus favores com um preço pré-estabelecido.
O José Saramago pela sua idade (estará prestes a prestar contas dos seus alegados erros) e por ser alguém que nunca O tentou enganar ou trair (não se trai ou engana o que não existe), não será o maior dos problemas de Deus.
Dir-me-ão que é mais grave a falta de respeito do escritor para os que acreditam. Falso problema. Se bem me recordo o que determina a conduta das pessoas é Amar a Deus sobre todas as coisas e Amar o próximo como a nós mesmos. E se haverá coisa de que não podem acusar Saramago é de falta de Amor.
Curto Saramago, não simpatizo muito com Caim, Abel reúne as minhas simpatias por ser a vítima final.
Acho o livro espectacular. Trata-se de uma história de amor/ódio magistralmente contada e literariamente muito bem conseguida. Dirá mesmo que é mais fácil e entusiasmante ler este livro que o Antigo Testamento. E mais não digo.

sábado, outubro 24, 2009

MAU PERDER
O que se passou ontem na reunião de tomada de posse das Juntas de Freguesia de S. Pedro e Conceição, explica aos menos avisados as razões à derrota do PS e do PSD. Determina a legislação que só o Presidente eleito possa apresentar as pessoas que formarão os elencos dos executivos.
O objectivo desta medida é o de impedir o que amiúde acontecia, de forças políticas que perdiam as eleições, juntarem os seus votos e as Juntas passarem a ter em maioria os partidos que perdiam, sendo a força política que ganhou reduzida a um membro (o presidente), impedindo assim que se manifestasse a vontade expressa nas urnas do povo.
Pois foi o que aconteceu aqui nestas Juntas. Os eleitos do PS e do PSD juntaram os seus votos recusando os propostos pela força política que ganhou, impedindo assim a constituição dos Executivos respectivos.
Obviamente que ao Presidente eleito só resta manter os nomes que considera serem coerentes com as suas propostas ganhadoras. As suas afinidades políticas e pessoais vão para aqueles que foram eleitos nas suas listas e não os que fazem parte de outras listas.
Se se mantiver esta atitude incompreensível de quem perdeu as eleições, só resta aguardar o tempo necessário para convocar novas eleições e deixar que o povo dessas Freguesias, compreendendo quem são as pessoas que se querem opor a que a sua vontade manifestada nas urnas se concretize, decida de uma vez por todas dar uma lição aos que perdem.
Sinto-me magoado. Pessoas que conheço e que tinha como pessoas de “bem” unem esforços não para resolver problemas, nem para apoiar a sua resolução, mas sim para criar dificuldades de que só a cidade de Peniche ficará a perder. Ou a atrasar o que podia ( e devia) já estar resolvido. Pessoas que se identificam publicamente com valores e princípios elevados, e que os apregoam, e que os pretendem fazer chegar a outros, comportam-se de forma maliciosa e manhosa, por razões pessoais pouco claras. O que as torna pessoas pouco aceitável.
Espero que uma lufada de bom senso faça tornar tudo mais razoável. Se isso não acontecer, devolvam ao povo a resolução do problema. Ninguém como as pessoas para utilizar o caixote de lixo.

sexta-feira, outubro 23, 2009

UMA AVENTURA A etapa que se vai iniciar na rota da minha amiga Isabel Alçada é das mais difíceis e dolorosas por que já passou. Vai ser a nova Ministra da Educação. Por aquilo que tenho ouvido a generalidade dos professores e dos agentes políticos, não está à espera que ela desempenhe a sua função com a mesma qualidade com que tem desempenhado a sua vida profissional até aqui. Estão à espera uns que ela lhes facilite a vida. Outros que ela condene e ponha de lado tudo aquilo em que acredita.
Faça ela o que fizer vai acabar condenada na fogueira pública. O Amor que sempre tem dado a jovens e adolescentes não lhe vai servir de nada. O que ela tem dado do fundo do seu coração à Pátria de todos nós que é a Língua Portuguesa, não lhe vai servir de escudo para a defender dos escroques da Política e das Escolas que pairam como abutres sobre todos os que têm valor e dão de si o melhor ao ensino.
Isabel Alçada já fez mais pela formação dos nossos jovens que uma grande parte dos professores que recebem ordenados para trabalhar no Ensino. Quanto àquilo que os políticos fizeram, estamos conversados. Mas nada disto a salvará de uma crucifixação se não suspender a avaliação dos professores.
Ainda hoje ouvi nas TVs o idiota do Presidente da Fenprof a dizer que a avaliação só deverá ser formativa. Como se ele não soubesse que isso não é avaliação nenhuma. É a obrigação de todos nós. A nossa actualização faz parte do nosso quotidiano. Para além disso os incompetentes devem ser afastados para não condenarem o futuro dos nossos filhos. Mas a vontade deste (a quem tenho dificuldade de designar como professor, pois nem ele se lembra há quantos anos que não trabalha numa escola com alunos), a vontade deste senhor dizia eu é a de chegar a Chefe Máximo da Intersindical, e para isso há que destruir ministros e ministérios.
À minha amiga Isabel Alçada desejo toda a coragem do mundo. Agora é que começa efectivamente a sua Aventura. Assim esta história acabe tão bem como todas as outras.

quarta-feira, outubro 21, 2009

CONTRIBUTOS
Depois do texto ontem publicado trago a lume um outro que um amigo me fez chegar:
Precisa-se de matéria prima para construir um País (Eduardo Prado Coelho - in Público)
A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.
Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.
O problema está em nós. Nós como povo. Nós como matéria-prima de um país. Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro.
Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país:

-Onde a falta de pontualidade é um hábito;
-Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.
-Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos.
-Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.
-Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é 'muito chato ter que ler') e não há consciência nem memória política, histórica nem económica.
-Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser 'compradas', sem se fazer qualquer exame.
-Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.
-Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.
-Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.Não. Não. Não. Já basta.
Como 'matéria prima' de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTICE PORTUGUESA' congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não noutra parte...
Fico triste.Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria-prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada...Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.Qual é a alternativa ?
Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror ?
Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... igualmente abusados!
É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias. Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer. Está muito claro... Somos nós que temos que mudar. Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:
Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e,francamente, somos tolerantes com o fracasso.É a indústria da desculpa e da estupidez.Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir)que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.
Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.E você, o que pensa ?... MEDITE !

terça-feira, outubro 20, 2009

O QUE MERECE A PENA
És moço. O teu desejo inquieto sonha os destinos grandiosos. Chegaste à encruzilhada dos mil caminhos. E hesitas. É à tua incerteza que eu desejo falar. Com que direito? estou a ouvir que perguntas. Venho de percorrer muitos dos caminhos do mundo. Mas, através de hesitações e quedas, sempre a luz me bateu de frente sobre o rosto. Já me sacrifiquei pelos homens todos, pela beleza da vida. Posso falar. E falo-te tanto pelo pesar dos erros, como pela alegria das boas obras realizadas.
Sim, tu hesitas. Mas eu conheço o teu desejo. És um moço: queres ser um homem. Pois eu venho dizer-te que sejas um homem, mas um homem na plenitude, na grandeza, no esplendor heróico dessa palavra gloriosa. Sim, venho dizer-te que sejas um homem digno dos presentes que o Tempo depõe nas tuas mãos, pela realização de todos os teus deveres. Nasceste na mais bela e trágica hora da vida da humanidade. Rodeiam-te catástrofes, incêndios, ruínas, incertezas. Todavia, um vago coro de esperança se ergue do coração dos homens. De ti depende que essa esperança se volva em realidade e que outro canto mais ansioso e alevantado se reerga sobre a terra.
Eu sei que à tua beira se abrem os caminhos fáceis e sedutores. Se és ambicioso, podes ganhar glória, dinheiro ou poderio, com pequeno custo. Escritor, basta-te lisonjear o mau gosto do público e as suas piores inclinações. Político, enfileiras nos partidos e dobras-te às imposições das clientelas. Jornalista, serves as oligarquias do dinheiro e as paixões populares. Profissional, abres balcão e fazes da tua profissão apenas um negócio. És, enfim, um habilidoso animado pela cupidez: oprimes os fracos, abusas da ignorância, aproveitas as condescendências da moral comum, exploras a miséria, a estupidez ou os vícios humanos, e depressa chegarás aos faustos ilusórios que não alcançam os que trabalham com esforço rude e com desejo de justiça. Esses são, em verdade, os caminhos mais fáceis. À tua volta os teus falsos amigos, Quantas vezes os teus próprios pais e parentes impelem-te docemente e juncam de rosas a lisa estrada para que ela te apeteça mais. Pois eu digo-te: se te meteres por aí, degradas-te à condição repugnante de certos animais inferiores, que mudam a cor conforme o meio e parasitam para poder viver. Desonrarás em ti o que há de mais belo na humanidade, – a aspiração crescente de beleza e perfeição. O que distingue as sociedades superiores é exactamente o grau de cooperação e solidariedade entre os indivíduos. Quanto mais servires o egoísmo que dissocia e aumentares a hostilidade entre ti e o teu semelhante, mais enfraqueces e rebaixas a sociedade a que pertences.
Ao contrário, o homem superior, o mais forte, o mais belo é aquele que mais desinteressadamente serve a comunidade. E uma sociedade será tanto mais sólida e perfeita quanto maior o número dos espíritos que a servem com puro desinteresse.
Esses são os grandes valores humanos. E senão medita. Que valem para a glória da França e da Humanidade os seus guerreiros, os seus monarcas e potentados, se os compararmos com os nomes de Pasteur, Lavoisier ou Descartes? No cortejo do coroamento de Jaime I de Inglaterra, Shakespeare figurava entre os mais pobres, com o seu manto oferecido, de seis shillings. Hoje poucas pessoas conhecerão os nomes dum só dos faustosos dignitários que seguiam o rei, enquanto o génio de Shakespeare exalta cada vez mais o coração dos homens em todo o mundo. Os papas sucedem-se há séculos na tiara romana e nenhum deles teve sobre a humanidade a influência de S. Francisco de Assis, com o facto, na aparência tão simples, de falar ao sol, aos pobres, às aves e às feras, como a seres irmãos.
É que a evolução da humanidade faz-se no sentido de uma crescente aproximação moral e espiritual. A obra daqueles generosos criadores possui um poder de influência e irradiação incalculável. E a história esquecerá pouco a pouco o nome dos conquistadores e ambiciosos para se tornar a glorificação dos construtores e dos apóstolos.
Mas nem todos, dirás tu, podem aspirar a essas culminâncias da ciência, da filosofia, da arte ou da bondade. É certo. Também a eles não os guiou a esperança de glórias no futuro, mas apenas o desejo de harmonia perfeita entre o acto e a consciência. Para realizar essa harmonia não precisas de ser tão grande como eles. Basta-te que elejas a missão, conforme à tua força e virtudes próprias, para servir a comunidade e depois, por mais humilde que ela seja, a realizes em pleno esforço, sinceridade e aceitação.
Eis o que constitui em toda a parte um imperativo de pura humanidade. Mas considera agora quanto maiores são os teus deveres na terra onde nasceste. Tudo aqui solicita os teus braços, o teu cérebro ou o teu coração. Em lugar algum do mundo encontrarias deveres mais imperiosos, instantes e sagrados do que em Portugal. A terra está inculta e as suas fontes de energia correm ou jazem na mesma esterilidade dos tempos pré-históricos. O povo mourejador das fábricas e dos campos, por mais que se ouse proclamar o contrário, continua ignorante, mal alimentado, mal assistido, vivendo quase todo em escravidão e barbárie, se o compararmos aos trabalhadores da Inglaterra, da França ou da Alemanha. Faltam-nos em todas as actividades, mais que nenhuns outros, os capitais morais, isto é, o espírito de empreendimento e o desejo de progresso. Continuamos, salvo raras excepções, a vegetar em rotina e em ciência livresca. Os indivíduos, os grupos e as classes, divididos por baixas ambições, raro se erguem à compreensão activa das necessidades e interesses colectivos. E, de ódio em ódio, de miséria em miséria, aquele mesmo espírito de inquisição, que outrora, em nome da fé religiosa, exigia a limpeza da raça, acordou e ergue-se a cada passo de todos os lados, exigindo e procurando realizar a limpeza, em nome da fé política.
Eis o quadro sumário dos vícios e necessidades mais graves, que te solicitam com urgência. A tua responsabilidade cresce na proporção da inteligência, cultura ou poderio que tiveres. E, se verdadeiramente queres ser um homem, não abandones este posto, que as circunstâncias tornaram de tanta dor e perigo. Pois dos que fogem nas horas mais difíceis será licito pensar que prezam mais que o bem comum os seus interesses próprios. Aqui, na terra onde nasceste, exactamente porque são maiores os teus deveres, mais podes afirmar a tua viril humanidade. Quando um povo está ameaçado, como o teu, das piores catástrofes morais, os que partem, os que se isolam, até os que não vêm são como os desertores em horas de batalha.
Esta, a estrada que te aponto, eu o sei, é a mais áspera e difícil. Encontrarás pela frente, a tomar-te o caminho, os balofos, os palradores, os agitados, os pessimistas, os estéreis de toda a espécie, para quem o trabalho alheio é a pior das impertinências, e ainda uma parte da opinião pública que aplaude apenas aqueles que por sua vez a lisonjeiam. Saberás também que os teus piores inimigos serão sempre aqueles que falharem na carreira em que tu triunfes. E conta que eles, os fracos e os anódinos, nalguma coisa conseguem mostrar talento e esforço: em destilar sobre ti o fel do seu despeito.
Sim, tomar o bom caminho e seguir por ele é duro, mas só assim merecerás a glória de ser homem. Que eu te digo à maneira de Séneca, o grande estóico hispânico: sejam quais forem as circunstâncias da tua vida, aceita-as, tanto melhor quanto mais terríveis elas forem, e conduz-te de maneira que sempre possa dizer de ti que és um homem. É à tua vontade, e à tua coragem, ao teu poder de sacrifício, ao teu novo desejo e ansiedade que eu me dirijo. Não venho impor-te um credo. Não. Crê em ti. Constrói a sós contigo a obra do teu destino. És uma fonte de vida. E deves ser a única fonte da tua vida. Distende a tua vontade como um arco. Vai disparando ao alvo como a violência dum dardo, vibrando todo ao caminhar. E principalmente excede-me. Realiza sempre a excelência do que foi. Não ponho limitações ao teu desejo e à tua força. Colhe de todos os sadios frutos da Terra para tornares a vida doce. Mas, mais e melhor vai pela vida fora, erguendo ao alto nas mãos válidas o facho da tua beleza íntima, embora os fracos fiquem de olhos encadeados e a ti te abrases na pura labareda.


Este texto viu a luz do dia a 20/11//1921, no nº3 da “Seara Nova” e foi escrito por Jaime Cortezão (Médico, Escritor, Político, combatente contra a Ditadura do Estado Novo).
E não me apetece acrescentar mais nada.