sábado, junho 28, 2014

ACTOS MÉDICOS DE OBSERVAÇÃO ATENTA
Um velho doutor que sempre trabalhara no meio rural, achou que tinha
chegado a hora de se aposentar, após ter exercido a medicina por mais
de 50 anos.
Ele encontrou um jovem médico para o seu lugar e sugeriu ao novo
diplomado que o acompanhasse nas visitas domiciliares para que as
pessoas se habituassem a ele progressivamente.
Na primeira casa uma mulher queixou-se que lhe doía muito o estômago.
O velho doutor respondeu-lhe :

- Sabe, a causa provável é que você abusou das frutas frescas... Por
que não reduz a quantidade que consome ?

Quando eles saíram da casa o jovem disse :
- O senhor nem sequer examinou aquela mulher... Como conseguiu chegar
ao diagnóstico assim tão rápido ?
- Oh, nem valia a pena examiná-la... Você notou que eu deixei cair o
estetoscópio no chão ? Quando me abaixei para apanhá-lo, notei que
havia meia dúzia de cascas de mangas, um pouco verdes, no balde do
lixo. É provável que isso tenha lhe causado as dores. Na próxima
visita você se encarrega do exame.
- Humm ! Que esperteza ! Eu vou tentar empregar essa técnica.

Na casa seguinte, eles passam vários minutos a falar com uma mulher ainda jovem.
Ela queixava-se de uma grande fadiga :
- Eu me sinto completamente sem forças...
O jovem doutor disse-lhe então :
- Você deu provavelmente muito de si para a igreja... Se reduzir essa
atividade, talvez recupere um pouco de sua energia.
Assim que deixaram aquela casa, o velho doutor questionou o novato:
- O seu diagnóstico surpreendeu-me... Como é que chegou à conclusão de
que aquela mulher se dava de corpo e alma aos trabalhos religiosos?
- Eu apliquei a mesma técnica que o senhor me indicou: deixei cair o
meu estetoscópio e, quando me baixei para o apanhar, vi o padre
debaixo da cama!

sexta-feira, junho 27, 2014

ESTA CORRIDA QUE ME MATA
Não me refiro à corrida das Fogueiras. A 35ª. Nem à corrida das Fogueirinhas. A 14ª. Também não me refiro a estas corridas em busca de emprego. Ou de trabalho como preferirem. Se é que isto tem discussão.
Falo desta corrida contra o tempo. Contra a degradação dos corpos. Contra o envelhecimento que a todos atinge. Sendo que alguns fazem disso o seu maior drama. Recordo aqui algumas pessoas que vi envelhecer com dignidade. E outras a quem nem isso foi permitido porque a doença retirou-lhes a parcela de felicidade que deve acompanhar uma vida rica de recordações.

Viver é acreditar. Quem deixa de acreditar em alguma coisa perde a possibilidade de ser feliz. Eu que tive a felicidade de nascer num dos períodos mais ricos da História da Humanidade, assisti ao apogeu e queda de Impérios. Nasci na segunda metade da II Grande Guerra. Pertenci a metade do planeta de terra, que entretanto se unificou e hoje faço parte do todo global. Nasci num país em que o pensamento era pecado e hoje pensa-se sem sequer medir que isso representa uma conquista. Nasci no país da religião única, com crucifixos na sala de aula e vivo num país ecuménico.

Vi “pretos” serem escravizados por “brancos” em África, vejo países africanos a comprarem este país à venda em saldos. O império português, tal como a superioridade moral dos comunistas, foi “chão que deu uvas” até que a liberdade de informar deu as mãos à liberdade de ser informado.

Esta corrida em que tenho participado é imensa e maravilhosa. Assim eu mereça ter participado dela.

quarta-feira, junho 25, 2014

MAIS 311 ESCOLAS
Vão encerrar. Contribuindo assim para a desertificação do País. Conduzindo ao afastamento de pais e encarregados de educação do processo educativo dos seus filhos.
Ao vendedor de banha da cobra que é o ministro da educação não me refiro. Recuso-me a referir obscenidades no meu blog.
Nos últimos 15 anos mais de 6000 estabelecimentos de ensino foram encerrados. Não estou a pensar nos professores que foram para o desemprego. Estou a falar na lufada de ar fresco que era anualmente chegar a um local ermo uma nova, ou um novo professor, que abria perspectivas a alunos e pais. Que fazia a aldeia fervilhar de vida.

Claro que há escolas que inevitavelmente teriam de encerrar. Mas desenhados a régua e compasso os encerramentos? Como se fosse o mapa cor-de-rosa?
Deste governo não espero que honrem compromissos. Nem sei porque “raio” de razão é que ainda há alguém que com eles estabelece compromissos de honra.

Em Peniche encerra Casal da Vala e e Casais Brancos. A que se seguirão no próximo ano S. Bernardino, Reinaldes e Ribafria. O Governo diz que conversa com, e ouve os municípios. Que interessa isso se o argumentário que utilizam nunca é escutado e em última análise são imunes a quem contradiz o que a 5 de Outubro decide.

Portugal continua a empobrecer. Miseravelmente. Ao sabor desta gentinha e dos seus patrões alemães.
Seremos a praia de férias de Berlim, ou não seremos nada.   

segunda-feira, junho 23, 2014

“PRANTES”

O mundial do Brasil já era. Paulo Bento é culpado. Todos somos culpados de vivermos titubeantes entre o que é necessário e o que somos capazes.  

Continuamos seraficamente aguardando que o Estado português honre os seus compromissos com os seus trabalhadores e pensionistas.

O PS já foi. Dividido entre um simulacro de líder que o conduzirá irremediavelmente à derrota e a um beijo de escorpião aos seus apaniguados e um renascer doloroso mas necessário com quem o pode fazer reaparecer das cinzas. Neste dilema não se ouvem, nem se vislumbram os cinzentões militantes socialistas que conduziram o partido no distrito de Leiria à indigência e ao apagamento totais.

Peniche será se for. Vive há meses aguardando o mês de Outubro para conquistar os seus minutos diários entre o o rebentar das ondas e espuma dos dias.

Mutatis mutandis qualquer coisa parece mudar para que as moscas saboreiem e possam sobrevoar o mesmo manjar de sempre.

sábado, junho 21, 2014

GORJETA
O pai e a mãe foram fazer uma visita ao seu filho, nora e netos e resolveram passar uma noite lá

Quando o avô encontrou no banheiro uma caixa de Viagra ele perguntou ao filho: posso usar uma dessas pilulas?
E o filho disse: Eu creio que não deve tomar papai, são muito fortes e muito caras.
E quanto custa? perguntou o pai ao filho.
"20€ por pílula," respondeu o filho"
"Não importa" disse o pai", insisto que eu quero provar

Amanhã pela manhã, te deixo o dinheiro debaixo do travesseiro

No dia seguinte, meio dia o filho encontrou 220€ em baixo do travesseiro.
Telefonou pro o pai e disse: Eu disse que cada pílula custava 20€, e não 220€
"Eu entendi" respondeu o pai. Os 200€ quem colocou foi a tua mãe. 

sexta-feira, junho 20, 2014

O FACEBOOK E EU
Acontece comigo o que também é comum a inúmeras outras pessoas. Uma relutância visceral contra a exposição pública. Não sou púdico nem tímido. Reservo-me no entanto a nível de sentimentos pessoais e para situações do foro intimo para mim próprio ou em última instância para as pessoas que entendo que devem saber de mim.

O facebook deixou de ser um meio rápido de comunicação entre amigos, para passar a ser uma forma de intrusão na vida privada de cada um. É claro que existem pessoas que se colocam mesmo a jeito para que isso aconteça. Mas outras que fizeram única e simplesmente uma opção por uma nova caixa de correio, podem a breve trecho ser vitimas destes papparazos de meia-tigela, em tudo semelhantes aos mirones que há 30/40 anos atrás se escondiam atrás dos medões para espreitar os namoros dos outros.
Já aqui contei da minha breve história no facebook. Aderi, vi o que me esperava e saí tudo no breve espaço de um mês. Pessoas que não me falavam na rua, a pedirem-me a sua amizade. Gente que me detesta a oferecer-se para serem minhas amigas. Terminei tão rápido quanto pude com aquele nojo.

Agora vejo convocar manifestações pelo facebook. Dar informações pertinentes pelo dito cujo. Como se a forma de comunicação se tivesse tornado universal. Como se toda a gente utilizasse a coisa. Como se Portugal fosse um país de tecnologia universal, mais universal que o Serviço Nacional de saúde. Admite-se que hajam cidadãos sem médico de família, mas não se vislumbra a hipótese de haver um português sem facebook.
Deixamos de ser coerentes para nos tornarmos pirosos. Deixamos de ser seres solidários para nos tornarmos coscuvilheiros.
É como aqueles que entregam ofertas para o Banco Alimentar Contra a Fome, mas deixam os pais esquecidos nos centros hospitalares, acautelando no entanto que eles lhes façam previamente a doação dos seus bens.

Estou amargo? Sou realista.  

quinta-feira, junho 19, 2014

O QUE ME INIBE DE ESCREVER
Ultimamente estou preguiçoso. Eu sei que estou velhote. Mas anima-me uma grande vontade de perceber o que vai acontecendo à minha volta. Depois passar à escrita o que vou vendo e ouvindo é que se torna mais complicado.
Não que não sejam interessantes algumas das coisas. Não que não mereçam ser contadas. Mas estou indolente. Será da idade? Ou é este ser reformado e todos os dias roubado que me amarfanha?

Eu sei que a derrota de Portugal face aos “boches” me deixou atarantado. Mas já estou tão habituado a ser “lixado” por essa gente que não havia de me surpreender.

Eu sei que o Governo de Portugal atingiu os limites do impudor e se tornaram obsceno na sua raiva insana contra o poder judicial. Mas desses atrasados mentais não espero outra coisa.

Eu sei que Peniche vive em letargia. Mas já há muitos anos que me habituei a não me deixar vencer por este dolente torpor.

Eu sei que cada vez mais, menos gosto de andar na rua, frequentar cafés e tertúlias xaroposas.

Por tudo isto escrevo pouco. Ou talvez só porque não me apetece. E quando não me apetece não sei, nem consigo escrever.
Melhores dias virão.

segunda-feira, junho 16, 2014

MEMÓRIAS DE UM PASSADO LONGÍNQUO
Fotos do final do séc. XIX - início do séc XX de familiares e seus amigos
Os Bombeiros de Peniche
José do Rosário Leitão (vulgo Zé Baterremos) e Albertino Fernandes
 Os casais dos filhos e filhas de Joaquim do Rosário Leitão com respectivos consortes
António Delgado Miranda, Manuel Patrício, João Barradas, José do Rosário Leitão

sábado, junho 14, 2014

A FEIRA DA VIRGEM

Para quem ainda não sabe, o nome da Feira da Ladra, em Lisboa, não tem nada a ver com ladras ou ladrões, mas sim com a língua árabe.
De facto, a Feira da Ladra remonta ao século XIII, ou antes, quando a língua árabe era ainda familiar em Lisboa, apesar das barbaridades habitualmente cometidas pelos cruzados, supostos e intitulados cristãos, que a conquistaram aos Mouros.
Podemos ter a certeza que a conquista "cristã" de Lisboa, em 1147, foi um desgraçado e prolongado desastre para a cidade.
Diz-se que o nosso primeiro rei, impotente perante o assalto assassino à população de Lisboa, que vivia civilizada e em comunhão com os cristãos arabizados, sofreu por ver que os seus aliados do Norte da Europa não distinguiam os habitantes da cidade, sendo para eles todos eram infiéis e inimigos que se massacravam desapiedadamente até à morte.
Afonso Henriques queria, sim, a cidade, mas não pretendia um "genocídio inútil".
Feira da Ladra quer dizer Feira da Virgem (a Mãe de Jesus), pois "A Virgem" em árabe se diz "al-:aadraa'  (العذراء).
 
Esta palavra ouve-se repetidamente na Nursat, o canal televisivo dos Maronitas (católicos) do Líbano.

sexta-feira, junho 13, 2014

13 DE JUNHO
R. Vasco da Gama
·        Portugal assina com a Inglaterra a Aliança Luso-Britânica, a mais antiga aliança entre nações em vigor (1373)

·        Nasce Fernando Pessoa (1888)

·        Os Estados Unidos declaram guerra à Grã-Bretanha (1812)

·        Morre Alexandre O Grande (323 A.C.)

·        2ª Aparição de Nossa Senhora em Fátima (1917)

·        Morre Vasco Santana (1958)

·        Nasce Maria Helena Vieira da Silva (1908)

·        Morrem Álvaro Cunhal e Eugénio de Andrade (2005)

·        Morre Hermínia Silva (1993)

·        Morre Al Berto (1997)
~
Igreja de S. Sebastião

quinta-feira, junho 12, 2014


SITUAÇÕES…

O estado do tempo
O estado da nossa saúde
O estado em que vivemos
O estado do nosso país
O estado a que chegámos



 

quarta-feira, junho 11, 2014

CARTA ABERTA AOS PROFESSORES
Depois daquilo a que assistimos ontem, só resta aos professores uma atitude. Destituir de secretário-geral da FENPROF Mário Nogueira.
Os professores não podem aceitar que os represente alguém que quando vê um ser humano caído no chão, com os pés o calca para ele não se poder levantar.
Não são estes os professores que queremos a trabalhar com os nossos filhos e a encaminhá-los nos princípios da fraternidade, do humanismo e da justiça.

A boçalidade e o alarvismo têm um preço.

Sou insuspeito de simpatia pelo actual Presidente da República. Mas ali estava um ser humano a exigir cuidados médicos. Quem ofendeu o homem, ofendeu todos aqueles que acreditam no primado da humanidade sobre a selvajaria. Que um ser comum não o compreenda não é aceitável mas sou capaz de perceber. Que um professor não o compreenda é reprovável e deve ser suficiente para o negativar na sua avaliação. Que o representante de milhares de professores se comporte de forma energúmena é gravíssimo e a exigir medidas exemplares contra o exercício do seu cargo.

É a vez de dizermos: MÁRIO NOGUEIRA PARA A RUA!

sábado, junho 07, 2014

PAPAGAIO LOIRO, DE BICO DOURADO...
AGORA PRESTEM ATENÇÃO:
O papagaio é na realidade uma mulher, que posou para Johannes Stötter.
O artista italiano passou semanas planeando a transformação.
Repare que uma das pernas da mulher formou a cauda da ave e, a outra, uma asa.
Um braço da modelo, originou a cabeça e o bico.

quinta-feira, junho 05, 2014

ADENDA À ÚLTIMA POSTAGEM
Este senhor que diz ser 1º Ministro do meu país, enerva-me, ofende-me e tira-me do sério.
Provoca em mim uma raiva e um ódio que nunca pensei serem possíveis em democracia.
O desplante com que diz que os Juízes do Tribunal Constitucional terão de ser mais bem escolhidos e melhores só me merece um grande desprezo.
Como é que "este" 1º ministro se atreve a dizer isto?
Como é que a pessoa que mais desprezou o povo trabalhador e laborioso deste país se atreve a falar assim?
Como é que alguém que manda milhares de portugueses para a emigração e outros tantos para o desemprego e para a morte por falta de cuidados de saúde, se atreve a classificar alguém?
Nojo é o que sinto por este senhor. Desprezo é o sentimento que me assalta. 

terça-feira, junho 03, 2014

ANTICONSTITUCIONALISSIMAMENTE
Desde pequeno que me habituei a ouvir e ler que a constituição de um país é o garante da sua identidade. Que são os tribunais próprios quem define o que é consonante a lei mais “sagrada” desse país. Mesmo no tempo do regime caído em 25/04/1974 havia algum pudor no que a este respeito concerne.

Com o actual Governo PSD/CDS toda a vergonha e honradez se perdeu. O que me pesa nesta atitude incompreensível é por um lado este coelho entre portas de meia-tijela por um lado pretender fazer de mim parvo. Por outro lado é ter perdido a capacidade de governar em favor do país, mas sempre contra o país. Isto se é verdade que um país se define pelo povo que o sustenta.
Cá para mim tenho uma solução para estes imbróglios. Na próxima revisão constitucional incluir uma emenda que determine o impedimento de um governo com a consequente dissolução da Assembleia da República sempre que um Governo num só ano apresente 3 propostas que sejam inconstitucionais ou que apresente as 3 em anos sucessivos.

Creio que aqui terminariam as fantochadas de coelhos e afins.

 

segunda-feira, junho 02, 2014

QUANTOS EVENTOS TEM CAPACIDADE A CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE PARA RELIZAR POR DIA?
Escrevo hoje (dia 1 de Junho) para publicar amanhã.

Estranhamente a Câmara Municipal celebra hoje o Dia do Pescador (que foi ontem -31 de Maio- a celebração) e “esquece” deliberadamente o DIA MUNDIAL DA CRIANÇA que hoje (1 DE Junho) se celebra.
Se é verdade que “as crianças são as flores da nossa luta” os nossos pescadores e suas mulheres, as atadoras e conserveiras, sentir-se-iam felizes por verem celebrados os seus filhos, irmãos e netos que aliás são, o objectivo final do seu trabalho.

Para celebrar as crianças não são em rigor necessários os professores a trabalhar e as escolas estarem abertas. Essa seria aliás uma explicação redutora.
Umas tendas no Jardim Público ou no parque do Baluarte, uns funcionários que orientem as tendas. Lápis de cor e de cera, papel, tintas, o pagamento a promotores de eventos que nos trouxessem funâmbulos e marionetes, a organização de umas corridas de bikes ou de skates, uns lanches à base de leite, iogurtes e umas sandes e teríamos uma festa que ficaria na memória das crianças do concelho de Peniche.

Mas organizar duas actividades num dia ultrapassa as capacidades dos serviços e a capacidade criativa dos nossos autarcas.
Nada como estar em final de mandato para trazer o relaxe e a acalmia dos dias. E sem querermos ser mauzinhos, digamos que a falta das câmaras de televisão tem um efeito dissuasor no empenho do executivo camarário.

PS: Curiosamente quando abrimos o site da CMP aparece um spot publicitário que diz, “UM MAR DE INICIATIVAS”. Agora ficamos a saber que este mar por dia não pode ter mais do que uma onda.