terça-feira, setembro 30, 2014

INFORMADORES, VIGARISTAS E TRAFULHAS
Quando eu julgava que já tinha visto tudo, eis que de vez em quando sou surpreendido com coisas que julgava banidas da relação entre seres humanos dignos dessa condição.
Atravessei (atravessou uma grande parte dos portugueses) um período de quase 50 anos em que a condição humana foi colocada em causa por um punhado de gente espúria e indigna que utilizou métodos bárbaros para nos impedir de falar, ouvir, ler e pensar. Fomos escravizados em nome de um slogan de “amor pátrio# que só tinha a ver com a defesa dos interesses de uns quantos para se perpectuarem no poder. Para isso foram utilizados cárceres, torturas, informadores, delacções, polícias políticos, religião e medo. Era comum as pessoas serem presas por denúncias anónimas, por escreverem sonhos, relatarem experiências de vida sem muros nem cadeias.
Com o 25 de Abril chegou a esperança de um outro tempo mais rico de esperança e de sonhos.
E eis que agora ouço de novo falar de denúncias anónimas e um estado e um poder judicial empenhados em verificar os fundamentos dessas denúncias.

Defendi e defendo que quem se esconde atrás de uma denúncia anónima é trapaceiro, nojento e vigarista. Se fosse alguém com dignidade assumia de corpo inteiro o que denunciava, e enfrentava de cabeça levantada a descoberta da verdade sobre os factos que denunciava.
Mais defendo que todas as denúncias, cartas, email’s e outras formas de comunicação que se escudem no anonimato devem ser banidas. Apagadas. Esquecidas. Só caixote do lixo e a inceneração podem ser o seu destino. Tudo o que surgir em algum lugar coberto com a capa da denúncia anónima deverá ser incinerado definitivamente.
Não posso ser acusado de ser um adepto ou defensor do 1º Ministro deste país ridículo. Mas não aceito que ele (enquanto pessoa) seja submetido a este vexame sustentado por denúncias anónimas. Ouço ele ser acusado por ter demorado tempo a responder. Tenho para mim que ele nunca o deveria ter feito. No seu lugar faria um simples comunicado informando que me recusava a ser acusado do que quer que fosse na base de uma denúncia anónima. E, como agora é comum dizer-se, PONTO FINAL!

segunda-feira, setembro 29, 2014

O DIA SEGUINTE
Quem tivesse acompanhado ontem os resultados das primárias do PS e, tivesse estado por uns meses em coma, induzido ou não, diria que teriam havido eleições legislativas e que o PS as tivesse ganho com maioria absoluta.
O estado de euforia das pessoas que simpatizantes ou militantes do partido manifestaram perante a vitória do seu candidato foi algo que não vou esquecer e que mais à frente (no tempo) irei cobrar.
D. Sebastião no sentido metafórico do tempo não existe. Eu sei. A minha inteligência e toda a minha capacidade de discernimento intelectual me dizem que as manhãs de nevoeiro são só um meio de colorir histórias de criancinhas. Mas eu quero (no meu coração) acreditar que é possível. Eu e milhares de outros portugueses depositámos as nossas esperanças em alguém que nos parece mais assertivo para nos representar e defender contra este bando de pulhas que tomaram conta deste miserável país.

Sim. É verdade, Também eu fui votar em António Costa fazendo dele um raio de esperança. Aqui se inicia e termina (em termos eleitorais) a minha participação na busca de um novo percurso para Portugal. Não acredito que quando chegarem as eleições legislativas as listas de candidatos do PS pelo Distrito de Leiria, sejam substantivamente diferentes do que até agora têm sido. E nessa gentinha eu não voto.
Aguardo com serenidade que AC possa, queira e consiga fazer diferente. Aí estarei eu.

sexta-feira, setembro 26, 2014


DIAS DE TEMPESTADE – DIREITO DE RESPOSTA
Sob o título em epígrafe foi publicada uma postagem que continha um PS (post-scriptum) que veio a suscitar o pedido de DIREITO DE RESPOSTA, por parte do Exmo. Sr. Vice-Presidente da Câmara que com muito gosto publicamos.

«Direito de Resposta – Conversar em Peniche

 Estimado José Maria Anjos Costa (JMAC),

Ao ler o seu Post do passado dia 23 de setembro, entendi por bem enviar-lhe a seguinte informação a propósito da 2.ª parte do apontamento diário “… uma crítica demolidora à CMP…”: 

1- Reparei que o JMAC se limitou, no essencial, a descrever os factos ocorridos num estabelecimento público.

2- Assim, será oportuno o direito de usar o contraditório, elemento fundamental numa sociedade democrática.

3- Desde que assumi funções na CMP e, na qualidade de responsável pelo Pelouro do Desporto, os serviços competentes foram apoiados e receberam orientações para a dinamização da equipa de competição, na modalidade de natação.

4- O grupo era de 7 crianças e agora são 20.

5- A CMP assume o pagamento integral dos transportes dos atletas que participam nas provas de âmbito regional, nacional ou torneios. 

6- Além deste investimento financeiro, a CMP assume um custo financeiro anual que oscila entre os 1.500 e os 2.000 euros. 

7- O signatário prossegue uma prática de acompanhamento desta modalidade e deslocou-se, para apoiar e incentivar estes jovens, a Alcobaça, Rio Maior, Leiria e Sines.

8- O valor referido não foi de 100€, mas sim de 125€ (conforme  acordo entre o signatário e o encarregado de educação).

9- Sobre o reconhecimento das modalidades amadoras, o nosso Executivo Municipal tem estado atento às iniciativas, com apoio e incentivos, até com públicos votos de felicitações sobre os resultados alcançados pelos desportistas do concelho. 

10- A propósito da afirmação que “se fosse para o surf os dinheiros e apoios apareciam”, é oportuno citar os seguintes dados: com a CDU na presidência da CMP, a Corrida das Fogueiras e o Triatlo obtiveram o maior número de participantes de sempre e o Desporto Escolar ganhou novas sinergias. 

Resumindo, para nós o Surf é uma aposta nacional e internacional vitoriosa a todos os níveis alcançada, bem como o desenvolvimento do formato desportivo, acompanhados da criação de diversos espaços para os praticantes do Desporto.

Aproveito ainda para agradecer o conteúdo do Post, porque nos permite informar e esclarecer os factos. 

Abraço.

       Jorge Amador, 

Vice-Presidente e Vereador do Pelouro do Desporto»

O que ouvimos está publicado nos termos tão fiéis quanto nos foi possível reproduzir. O que a CMP tem a dizer sobre o assunto fica aqui à consideração dos leitores.

Poderemos concluir reafirmando que quem desempenha cargos autárquicos está sempre na mira de todos os franco-atiradores que desejem despejar a bílis, sobretudo quando existem resultados eleitorais que nunca foram bem digeridos. E quem não estiver preparado para isso desempenhando esse tipo de funções valerá mais oferecer-se para uma qualquer ONG que não esteja na mira do Estado Islâmico.

 

quinta-feira, setembro 25, 2014

E O SOL VEIO E DISSE…
“- Vou brilhar para todos vós!” Longe de mim a ideia que isto represente qualquer alusão ao ideário em que estais a pensar. Depois de mais uma semana de mau tempo, ergueu-se esta luminosidade brilhante e as nossas almas rejubilam.
Existem curiosidades que me intrigam. Porquê escolher o dia 28 de Setembro para a votação nas primárias do PS? Para por a falar a dita “MAIORIA SILENCIOSA”? Se foi esta a ideia do Tozero, talvez que não seja tão boa ideia quanto isso. Como aquela história de pretender denegrir um camarada do seu partido, porque este é apoiado por pessoa eventualmente “pouco meritória”. E ponho-me a imaginar se o putativo candidato a 1º Ministro chegasse a tal mister, se recusaria liminarmente qualquer acordo com pessoas comumente consideradas pouco idóneas. Tadinho… Teria de ser 1º Ministro das Selvagens. Isto se o JJ lhe permitisse pisar solo sagrado da Madeira.

O sol brilha para todos mas deveria ser como a Justiça em Portugal. Deveria brilhar mais para uns que para outros. E para quem é trapaceiro e calaceiro, deveriam ser só aquelas nuvens negras que a maga Patalogika envia ao Tio Patinhas.  

terça-feira, setembro 23, 2014

DIAS DE TEMPESTADE
Ontem à tarde, eu pensei que os deuses estavam zangados com a minha terra. Caiu tanta chuva e ouviu-se tanta trovoada que mais parecia que tínhamos caído sobre a ira do deus Thor.
Mal sabia eu que o que aqui se passou não tinha nada a ver com o que teria acontecido em Lisboa, Caldas da Rainha, Lourinhã e por esse Portugal fora.
Fiquei a pensar que até as tempestades são pouco amigas de Peniche. As coisas podiam ter ficado um pouco mais pretas (salvo seja) ter havido umas inundaçõezitas, umas cheias daquelas à antiga, e depois aparecia o Presidente da Câmara de Peniche ou o putativo candidato a sucessor, “palrando” nas TVs e mostrando-se com uma fardamenta da Protecção Civil que é sempre uma forma on de aparecer na televisão. Não temos mesmo sorte nenhuma. E os nossos políticos vêm os carros de exteriores passarem sem se deterem o que provoca sempre ulceras dolorosas.

PS: Hoje num estabelecimento de Peniche, ouvi uma critica demolidora à CMP. Que 2 jovenzitos praticantes de natação, tinham tido de ir treinar para um clube das Caldas, porque aqui não encontravam qualquer apoio para a sua actividade desportiva. Os jovens queixavam-se de que apesar de terem ganho prémios em competições, nunca a CMP lhes enviou parabéns pelo feito. Mais que para uma deslocação que efectuaram ao Algarve para competirem, pediram apoio à CMP e receberam 100€ o que nem sequer lhes permitiu dormir no Algarve no dia (ou na véspera) da competição. Mais afirmava a pessoa que criticava a CMP, que se fosse para o surf o dinheiro e apoios logo apareciam.
Quando se ouvem ataques deste tipo, ficamos mesmo convencidos que as nossas tempestades mais parecem brisas da Primavera.    

segunda-feira, setembro 22, 2014

ESTES DIAS ASSIM
Num estudo desenvolvido pelo filósofo e pensador português José Gil, conclui-se que os portugueses perderam a capacidade de sonhar.
Não espanta. Os Tribunais são um nojo. Aniquila-se a capacidade criativa no acto educacional. O SNS tornou-se ele próprio uma doença cancerígena a extirpar definitivamente. Os políticos deixaram de ser os tribunos para ocuparem o lugar dos vendilhões (traficantes). A iliteracia tornou-se o lugar-comum dos portugueses, que só conseguem ler até ao limite do “correio da manhã”.
Vemos ouvimos e lemos e não podemos acreditar que em pouco mais de 30 anos tudo o que era esperança de um sol que aquecesse a alma dos portugueses, se havia transformado neste “el nino” devastador.
Os jovens emigram. Os jovens não querem ter filhos. O meu ocaso, começa a ser desesperante não por me aproximar da minha morte física, que aguardo com serenidade e toda a dignidade de que sou capaz, mas começo a sentir como um pesadelo esta ideia avassaladora de que tendo eu e a minha geração assistido a quedas de impérios e ao nascimento de nações, aos maiores avanços da tecnologia e ao aparecimento de epidemias dantescas, ao melhor que a humanidade podia conceber intelectual e artisticamente, depois de tudo isto, o legado que transmitimos aos nossos filhos e aos filhos dos nossos filhos é esta apagada e vil tristeza.

sábado, setembro 20, 2014


UM ESPANTO

Clique na palavra DANS e desfrute do espetáculo.  

quarta-feira, setembro 17, 2014

O REFERENDO
Por cá os referendos deixam sempre um sabor a azedo na boca. As pessoas não votam. Não utilizam esse instrumento determinante do governo do povo pelo povo e para o povo e no fim todos perdem.
Na Escócia vai a votos amanhã (5ª Feira) em referendo se esta deseja continuar como uma parte do Reino Unido ou se prefere a independência. Não se sabe nem se prevê o resultado desse referendo. Em sondagens pensa-se estar bem perto dos 50% os votos do SIM e os votos do NÃO.
Vota quem vive na escócia há mais de 4 anos. E os escoceses que vivem fora da escócia não poderão votar.
Os partidos ingleses juntaram-se todos para apelar ao voto NÃO dos escoceses. Prometem-lhes agora uma ampla autonomia que anteriormente (quando julgaram que a Escócia continuar no Reino Unido era um dado adquirido), dizia eu, foi sempre recusada.

Em 1966 (vão lá 48 anos) estava eu prestes a entrar para a tropa conheci em Peniche um grupo de escoceses que aqui vieram praticar surf. Porque eles foram os primeiros jovens de cabelo comprido que aqui apareceram (moda dos Beatles na altura) o grupo dos “Novos Horizontes” entrevistou-os para a “Voz do Mar”. Entre perguntas publicáveis e outras não, falamos dos sistemas políticos dos 2 países, Portugal com a sua ditadura do estado Novo e a Escócia integrada no Reino Unido. Recordo que já nesse tempo aqueles jovens na casa dos 20 anos, nutriam um ódio de estimação pela sua subordinação a Inglaterra. Partilhamos sonhos e esperanças e trocámos endereços.
Eu enviei-lhes o Jornal local com a entrevista que lhes fizemos e passado algum tempo recebi enviado por um deles uma colectânea de Poesia de Língua Inglesa que ainda conservo na minha prateleira dos livros insubstituíveis.

O que eu desejo aqueles jovens de então é que o que acontecer com a escócia seja o melhor dos caminhos para o seu desenvolvimento, para que o seu povo viva feliz e, já agora que continuem a fabricar o melhor Whisky do Mundo.  

segunda-feira, setembro 15, 2014

OS DIAS DO FUTURO
Quero afirmar para não enganar ninguém, que me inscrevi para votar nas primárias do PS. E quero reafirmar que se for às urnas é em Costa que votarei.
Mais quero deixar bem claro que é no actual Presidente da Câmara de Lisboa que vislumbro um perfil de estadista. Em detrimento dos “coelhos nas tocas portas fechadas, para se sentirem seguros”.

No passado dia 12 do corrente mês li uma crónica de uma jornalista que até nem aprecio particularmente (Fernanda Câncio). Nessa crónica em que desenvolve o tema dos que sabem mas se recusam a dizer o que sabem (situação típica do Tózero), ela termina com uma afirmação que a todos nós deveria alertar: Quem se confessa capaz de ser nada para chegar onde quer é bem capaz de tudo”.

Vejam se não foi isto que nos aconteceu com a pandilha que nos governa.   

 

sábado, setembro 13, 2014

A HISTÓRIA DA HUMANIDADE EM 2 MINUTOS
 IMPRESSIONANTE...NEM PESTANEJE...

Observem que rápido passam os factos, a formação do Planeta, os começos, a natureza, os animais, as etapas primitivas, o ser humano e o desenvolvimento, a cultura, as guerras, a destruição, a modernidade,
a chegada à Lua, a multiplicação dos habitantes da Terra, as pestes e calamidades, o meio ambiente, a contaminação;  tudo em dois minutos!!!!!

Não há textos, só fotos.

Não fechem os olhos nem 2 segundos, porque se perdem 2000 anos num só momento!!!
É realmente extraordinário este resumo fotográfico para mostrar
detalhadamente a  história do mundo !!

 
http://www.youtube.com/watch_popup?v=MrqqD_Tsy4Q

quinta-feira, setembro 11, 2014

TAMBÉM EM PENICHE:
O PS NUMA FASE DE MUDANÇA (OU TALVEZ NÃO)
Esta disputa intestina dos António’s vai conduzir inevitavelmente a uma depuração no interior (e não só) do PS.
Vão abrir-se feridas, clivagens, e mágoas que demorarão a sarar, ou não sararão nunca.
O Concelho de Peniche é paradigmático nesta questão. Tem vivido nos últimos 25 anos sob a batuta astuta e bem oleada de um dos seus membros. A certa altura e cansados dessa obediência o “grupo” da Atouguia da Baleia autonomizou-se e passou a constituir uma facção incómoda e com personalidade própria, só susceptível  de ser domada com a promessa de partilha esporádica do poder executivo concelhio.

Muitos anos decorreram entretanto. E o que ontem era um paradigma, aparentemente deixou de o ser. O progenitor do PS de Peniche colocou-se num dos lados da barricada. Os seus mais indefectíveis apoiantes colocaram-se do outro lado na sua maioria.
Dos militantes do PS que conheço de nome assim de repente no Concelho de Peniche, contabilizo um apoiante de António Sales e 9 apoiantes de J. M. Medeiros. Isto é, 1 apoiante de Seguro contra 9 de Costa.
No fim a secção de Peniche proporá 5 delegados ao Congresso Federativo por JMM e 2 por AS. Quanto à secção de Atouguia da Baleia indigitará 5 delegados por JMM e nenhum por AS.
O que aqui não deixa de ser espantoso é a rebeldia com que os militantes do PS encaram estas Primárias e o Candidato a 1º Ministro do PS.
A constituição da próxima lista a Deputados do PS ao Distrito de Leiria e os candidatos às próximas autárquicas pelo PS em Peniche serão as duas próximas “cenas” a acompanhar, para poder perceber se baralharam e vão dar de novo ou se continua tudo na mesma.

terça-feira, setembro 09, 2014

SER PENICHEIRO/PENICHENSE HOJE
Longe vai o tempo em que nascer em Peniche tinha um significado absoluto. Aqui se nascia, crescia, vivia e morria. Ser de Peniche podia ser uma condenação, um estado de alma, ou um motivo de orgulho.
Nascia-se em casa com parteiras curiosas ou diplomadas e raramente no Hospital da Misericórdia.
A península e mesmo os limites territoriais era uma espécie de redoma de onde só se saía para ir à tropa, estudar em casos limites, ou por alguma doença mais complicada que exigia um internamento em grandes Hospitais com recursos mais evoluídos.
Posteriormente a imigração e a migração passou a ser outro motivo para sair do concelho de Peniche uma vez que as suas limitadas capacidades de empregabilidade conduziam à inevitabilidade da saída.
A designada “Guerra do Ultramar” foi outro dos empurrões que levaram aos nascidos aqui a alargarem os seus horizontes.

Hoje só por acidente se nasce no concelho de Peniche. Os filhos dos nossos filhos já não podem dar aqui os primeiros vagidos. Em nome da saúde pública é certo. Mas havia um certo não sei quê em nascer em Peniche.
Hoje o Concelho de Peniche é uma amálgama de gentes das mais diversas origens, etnias, religiões ou formas de vida. A identidade cultural de Peniche (se é que houve alguma) perdeu-se definitivamente. Os nossos jovens sabem e percebem que a resposta às suas necessidades básicas já aqui não está.
Serão autóctones de onde poderem assegurar o seu bem-estar e das famílias que irão constituir. Claro que aqui regressarão para visitar os seus e os amigos mais chegados que por aqui vão vegetando. Até existem boas praias. E as temperaturas embora não sendo as ideais de Verão são agradáveis. Até que também essas poucas referências vão a pouco e pouco desaparecendo. Deixaram de ser daqui para serem cidadãos da aldeia global, como hoje é comum dizer.

Ser Penicheiro é ser capaz de escrever isto com paixão mas sem mágoa. Ser Penichense é só aqui ter nascido.  

segunda-feira, setembro 08, 2014

ENVER HOXHA
Lembram-se deste artista? Ele Mao Tzé Dong e Stalin foram os mais acérrimos da esquerda. Contam-se por milhões as suas vítimas de tortura e de assassinatos. Deles e dos seus seguidores. Onde campeiam os carniceiros dos khmer Vermelhos do Camboja.
Comparados com estes os  jhiadistas do estado islâmico e os talibã quase parecem meninos do coro.

Mas não foi para falar destas desgraças que me recordei do supra citado Enver.

Nem foi para falar da derrota do país-portugal-futebol em desafio entre uma potência (nós) e a mais miserável das nações europeias (Albânia).

Lembrei-me deste canalha de esquerda ao ver na Televisão pública um dos seus adoradores. Refiro-me ao inenarrável ministro da educação deste país de maus costumes. Também o “cratito” era pró-albanês e pró-Mao nos seus tempos de Universidade. Distribuidor de panfletos e de ideais fundamentais para poder ser-lhe atribuída uma bolsa de estudo no Pró-emprego do PSD.

Esta gentinha é toda a mesma.

 

sábado, setembro 06, 2014

sexta-feira, setembro 05, 2014

EM PENICHE: FINALMENTE
Chegam ao meu conhecimento 2 notícias que me surpreendem pelo que de melhoria significativa em domínios completamente diferentes, trazem a este concelho no seu todo.

A 1ª notícia diz respeito à instalação da rede de gás natural. Antes de eu ser velho (abomino que me tratem por sénior), não sabia que era tão importante andar com bilhas de gás às costas. Este serviço contém em si mesmo uma preciosa ajuda para todos em geral e para certas faixas etárias muito particularmente. Bem hajam os promotores da iniciativa. Resta saber se os preços deste serviço são competitivos num tempo em que reformados e aposentados cada vez mais são presa dos demónios que ocuparam o poder em Portugal.

A outra notícia que me entusiasmou foi a de que finalmente estão reunidas as condições para a recuperação do Filtro de Peniche de Cima. Aliás já estão em concurso as condições de execução da obra. O Filtro faz não só parte do Património concelhia como da memória colectiva de todos nós. Se perguntarmos às gentes da cidade por símbolos que a definam, o Filtro terá um lugar cimeiro entre outros. É tão nosso e tão assumido que por décadas o deixámos ali sossegadinho sem sequer o conservarmos. O sentimento de pertença comporta estes efeitos de desleixo que por vezes são incompatíveis com o futuro.

quarta-feira, setembro 03, 2014

NOJENTO
O que se está a passar no médio oriente com o auto denominado estado islâmico, ofende a dignidade humana, ofende o Corão, os ensinamentos de Maomé, ofende a verdade histórica e põe em causa qualquer réstia de simpatia que universalmente possa ter suscitado a causa árabe.
Trata-se de assassinatos desumanos, vergonhosos e ignóbeis e por mais que os combatentes da liberdade possam ter a esperança de encontrarem no paraíso a recompensa pela sua luta, quando ela assenta em assassinatos cruéis e despropositados, só a um doloroso calvário poderão aspirar.
Quando o ser humano consegue executar de forma fria e impiedosa tais actos, é porque só lhe resta o que de mais baixo e cruel podemos imaginar. Trata-se de atitudes fascistas do mais baixo nível e  envergonharão para todo o sempre a causa árabe, suscitando mais ódios e vinganças impiedosas para com os seus autores e os que os seguirem.

terça-feira, setembro 02, 2014


PEIXE FRESCO
Apeteceu-me comer peixe fresco. Mas não me apeteceu ir ao supermercado (será que é mesmo fresco?). Também não me apeteceu ir à praça (será que é mesmo fresco?). Eu disse praça. Desculpem-me não consigo atinar com a palavra mercado.
E de repente apeteceu-me recuar no tempo. E esperar por passarem algumas mulheres de pescadores que todas as manhãs passavam por casa da minha avó e da minha mãe oferecendo à venda directa parte da teca que os maridos traziam para casa. Ou que comprvam aos miúdos na Ribeira e depois vinham vender de casa em casa como forma de ajudar ao rendimento familiar. O tempo em que os carros do guano passavam à minha porta carregados de chaputa e de chicharro para converter em farinha de peixe. Eu falei de chaputa e de chicharro a 5 tostões o par.
Onde está agora o peixe fresco? Dizem-me para me levantar as 6 da manhã e ir à ribeira comprar porque é garantidamente fresco e sai mais em conta. Mas eu não quero. E não é por me levantar cedo. É porque não tenho jeito nenhum para ir comprar peixe à Ribeira. E depois se for preciso amanhar?
Isto de pertencer à classe média tem os seus inconvenientes. Classe economicamente falida mas com outras aptidões que não é conhecer se o peixe é fresco ou ter de o saber amanhar.

Que se lixe. Vou fazer uma omolete.

segunda-feira, setembro 01, 2014

Ainda a Festa de Nª Srª da Boa Viagem
Do que é que as festas de Peniche conseguiram para esta Cidade e para as suas gentes?
Perguntem aos jovens que festas de Verão os atraem. Não são necessariamente este exclusivo de uns quantos em detrimento de muitos. São as festas de Ferrel que hoje permitem um tempo de alegria e bem-estar. Até às 6/7 da manhã assistimos a grupos de jovens que a pé fazem o percurso de volta a Peniche e enchem cafés e pastelarias para o pequeno almoço.
Infelizmente não perceberam os promotores das festas da Cidade que o seu estrangulamento iria conduzir à sua morte inevitável. Já não há barcos. Os poucos que existem não estão disponíveis para aceder a caprichos pueris de quem pouco conhece da nossa realidade e que revela ter pouco respeito pelos outros.
Publico uma notícia do "DN" de 1987 que talvez envergonhe os actuais responsáveis pelas Festas de Nª Srª da Boa Viagem. Ser cristão é muito mais que se afirmar como tal.